Geeks on Mocha Hackathon 2013

Geeks on Mocha 3a Edição - 2012

A 4a edição do Geeks on Mocha Hackathon vai acontecer agora em março. Nos dias 16 e 17 de março, desenvolvedores se reunirão mais uma vez em pequenos grupos, no Rio de Janeiro, para desenvolver soluções em conjunto. Criado em 2012 por Cadu de Castro Alves e Monique Fernandes, o evento surgiu da necessidade observada no mercado em encontrar designers e desenvolvedores qualificados, e acabou se tornando uma oportunidade para o surgimento de novas startups.

O modelo Hackathon (estilo HackDay) é bem interessante. Com o nome derivado de “maratona”, os participantes se organizam em pequenos grupos, definem, planejam e produzem o desafio em menos de 24 horas. Organização é a palavra-chave desse desafio, que de outro modo seria praticamente uma gincana. Os grupos que conseguem entregar os melhores projetos nesse tempo, são premiados e ainda tem seu esforço colocado em destaque. Vale lembrar que esse tipo de evento atrai muitos empregadores e investidores, que obviamente estarão de olho nos melhores talentos.

Como funciona o Hackathon

Cada inscrição no evento, antecipada, define se o desenvolvedor já possui ou não um grupo definido. Para inscrições individuais, os grupos serão formados no primeiro dia do evento, à partir das 9h. O tema dos projetos é surpresa e anunciado no início do evento – para evitar que as pessoas se organizem previamente e estraguem o objetivo do evento. Não ia ter graça, não é? 😉

O início oficial do Hackathon é às 15h. A organização disponibilizará toda a infraestrutura – cadeiras, mesas, tomadas, adaptadores, Internet e até comida e bebida – mas não haverá equipamentos disponíveis para os devs, então, trate de levar o seu computador.

O projeto fica por sua conta, e você pode entregá-lo em qualquer ambiente, plataforma, linguagem de programação ou interface que quiser, desde o velho html até mesmo aplicativos para console de videogame. Mas há restrições, claro. Você pode utilizar ou requisitar recursos externos, mas todo código e imagens utilizadas deverão ser gerados pelos participantes. Bibliotecas prontas podem ser utilizadas, desde que sejam gratuitas e open-source e não gerem grandes desvantagens entre os participantes. Não vale, por exemplo, criar um aplicativo cujas funcionalidades estejam todas prontas em uma biblioteca qualquer.

Vai encarar?

Será que a TV vai voltar a ser o centro das atenções?

De tempos em tempos, ouvimos alguém falar em  “telas” por aí. A “primeira tela”, a “sgeunda tela”, e por aí vai. Parecem aqueles marcos que separam as Internets em fases (quantas vezes já ouvimos falar em Web 2.0, Web Square, etc?), mas em muitos momentos isso faz bastante sentido e é interessante observar as migrações de interesse e atenção dos usuários/consumidores pelos canais existentes.

Qual será o próximo passo? O que iremos inventar de nvas telas que despertem esse interesse. Será que o Google Glass poderá ser considerado uma  “tela” diferente dos celulares e tablets? o que dizer do iWatch, que ainda nem foi lançado e já existe fila de interessados? A minha aposta é outra: a TV, ou melhor, a convergência na TV.

TV, a primeira tela

TV, a Primeira Tela

Tudo começou com ela, há (a sensação é de) eras. A TV se tornou o centro das reuniões familiares, da publicidade, da divulgação de notícias e do entretenimento. Ainda hoje se investe uma grana exorbitante nesse canal, que já foi tantas vezes dado como morto, assim como o rádio, o jornal e a revista. Continue lendo “Será que a TV vai voltar a ser o centro das atenções?”

LG Digital Experience 2013

Vem aí o LG Digital Experience 2013, o evento anual da LG que apresenta seus lançamentos e novidades, e chega em sua 9a edição trazendo os mais recentes lançamentos de tecnologia no mercado brasileiro. Reserve sua agenda no dia 7 de março e conheça as atrações da marca no país.

A LG há muito tempo é uma marca versátil que apresenta produtos de diversas linhas para o consumidor brasileiro, desde as já conhecidas TVs até aparelhos de ar condicionado, lavadoras de roupa e os portáteis, como smartphones e notebooks.

LG Optimus G

Esse ano a LG foca em alguns lançamentos, a seguir.

Smartphone LG Optimus G

Smartphone de última geração com grande performance para rodar jogos, vídeos e aplicativos em geral.

TV OLED

Primeiro televisor com tecnologia OLED anunciado no mundo, a OLED LG é sonho de consumo para quem preza por qualidade de imagem. Além disso, seu design é super atraente.

Desktop All in One

O All in One V325 é o computador desktop da LG que une monitor e CPU em um mesmo “combo”. Além disso, tem TV embutida, que possibilita o uso do computador enquanto se assiste TV. Perfeito para aqueles que curtem fazer comentários sobre programas de TV no Twitter.

Mini System XBoom

Uma espécie de mesa profissional de DJ integrada ao painel, com Jog Dial e dois scratchs, nem sei se esse equipamento pode ser chamado de “mini” system, viu? O som é potente, o design é muito bacana (compacto, poderoso e bonito).

Quer saber mais?

Vai ter que ir no evento. Esses e outros produtos (serão 375 ao todo) da LG estarão presentes e disponíveis para experimentação para todos que visitarem o LG Digital Experience. É grátis.

O evento

  • Quando: Dia 07 de março de 2013, das 15h às 22h
  • OndeCitibank Hall (Avenida das Nações Unidas, 17.955 – São Paulo)
  • Quanto: Gratuito (confirme sua participação)


Este é um publieditorial (artigo patrocinado) LG Eletronics Brasil.

TELEXFREE: Dinheiro fácil ou roubada?

Charles Ponzi, em 1920Fiquei muito em dúvida se escrevia esse texto aqui no Tecnocracia ou no Balela.info, mas resolvi escrever aqui mesmo, porque o alcance é maior, porque já falei desse tipo de dinheiro fácil na Internet em outro post antigo e porque este blog é mais conhecido também. O fato é que me preocupa o alcance que esse sistema, essa pirâmide, tem tomado nacionalmente, e por essa preocupação preciso escolher o canal adequado para comunicar.

A TelexFree se diz uma empresa de VoIP (Voice over IP), uma revenda de serviços de telefonia IP e que esse é seu negócio. Mas obviamente não é por isso que essa empresa ficou famosa no país – esse Brasil que ainda não consome e muitas vezes nem sabe do que se trata telefonia via IP – mas pelo esquema de “dinheiro fácil” que todos os participantes divulgam por aí. Mas atenção, dinheiro fácil e dentro da legalidade, é artigo raro e principalmente quem descobre algo assim não fica divulgando para não reduzir sua margem. Se você precisa trazer mais pessoas para que seus ganhos aumentem, isso tem nome e sua forma original é proibida no Brasil e em vários países: pirâmide financeira.

Como funciona uma pirâmide financeira?

TELEXFREE Piramide FinanceiraÉ muito simples o raciocínio e a mecânica criada pelo italiano Charles Ponzi – o método recebeu seu nome, Esquema Ponzi. Uma pessoa (ou empresa) arrecada dinheiro de um número qualquer de pessoas diretamente, como se fosse um investimento, e promete rendimentos em cima desse dinheiro por um período X. Para ganhar mais, essa pessoa precisa indicar outros investidores. Com a entrada desses investidores, o responsável pelo esquema distribui o que seriam os ganhos do investimento com aqueles que entraram primeiro. Animados, eles indicam mais pessoas e divulgam seus rendimentos para convencê-los. Os indicados também se animam e indicam outros, que ao entrarem, tem seu dinheiro distribuído entre os níveis acima da pirâmide (veja o gráfico ao lado).

Como você pode deduzir, no momento em que não entram mais pessoas, o dinheiro para de entrar e não há mais o que distribuir, pois o esquema não tem nenhuma fonte de renda a não ser os novos membros. Nesse momento, a pirâmide quebra, o modelo rui e quem entrou por último se deu mal, além de uns 3 ou 4 níveis, que não conseguiram recuperar o dinheiro inicial. É muito comum que esses esquemas possuam uma espécie de cota, e os mais animados reinvistam o dinheiro em novas cotas, retroalimentando o esquema e aumentando o rombo financeiro quando ruir o esquema.

Como funciona a TELEXFREE?

Como no Brasil, por conta de nossas leis relaxadas, o esquema Ponzi é permitido desde que exista um produto a ser vendido, a TelexFree conseguiu sobreviver dentro da legalidade até agora – mas já está sendo investigada. Acontece que o produto que eles “vendem” é VoIP – telefonia sobre IP, similar ao Skype só pra quem não está familiarizado com o termo entender. Além disso, os participantes precisam fazer uns “anúncios” diariamente em alguns sites indicados por eles. Pura cortina de fumaça, eu avaliei alguns desses sites e eles não possuem NENHUMA relevância e nem mesmo páginas indexadas no Google, portanto, seu anúncio está ali apenas para justificar o esquema de pirâmide, um disfarce legal ou contábil, mas não vale de nada, não ajuda a vender absolutamente nada.

Para participar, você paga um valor X, tem cotas diferentes, e conforme o dinheiro pago você entra numa diferente categoria dentro do esquema, tendo que anunciar mais ou menos e tendo direito ao retorno maior ou menor. Só que esse retorno, comparado com o seu pagamento inicial, é ínfimo se você não indicar pessoas e se essas pessoas que você indicou não indicarem outras. Ou seja:

  1. Você paga para entrar no esquema, mas não se torna sócio da empresa
  2. Você precisa “trabalhar” diariamente para a empresa, fazendo determinado número de anúncios e se não fizer, perde dinheiro
  3. Se você indicar outras pessoas, você ganha mais dinheiro, na entrada e no trabalho delas
  4. Você também ganha nas indicações de seus indicados e de toda a rede abaixo. Centavos, mas de grão em grão…
  5. Se ninguém comprar nada da sua cota de VoIP (eles são obrigados por lei a vender, lembra?), a empresa recompra sua cota, por um valor menor

Então deixa ver se eu entendi. Eles são uma empresa que vende um produto. Possuem uma vasta rede de revendedores do tal produto, mas se ninguém vender nada, eles compram de volta. Opa, mas peraí, eles compram deles mesmos, já que não venderam para os representantes. Então, QUAL O SENTIDO DISSO? Quem não consegue enxergar que se trata de uma pirâmide?

Putz! E agora? O que fazer?

Bom, agora é aguardar uma investigação e ações sérias de nossas autoridades, já que o alerta está dado e, embora muitos sejam os advogados do diabo, tem muita gente já suspeitando e denunciando essa faucatrua, o que faz com que o fim esteja realmente próximo.

Se você estava pensando em entrar, não faça isso. Toda pirâmide tem seu fim drástico e total. Ela rui de vez, e quem ganhou, ganhou, quem não ganhou não tem como recuperar seu dinheiro. Já era. Invista em outra coisa, algo que realmente não seja furada e tenha base sólida. Não acredite em dinheiro fácil, ele provavelmente é ilegal, golpe ou uma fria considerável.

Agora, se você já está dentro, meu caro, não tem como sair. Então, não indique mais ninguém, alerte às pessoas que você já indicou sobre o possível rompimento e tente recuperar seu dinheiro fazendo os tais anúncios o quanto antes. Não espere para sacar, faça isso logo. E fica esperto na próxima super oportunidade de investimento que aparecer.

Como identificar uma roubada financeira de dinheiro fácil

Muito fácil. Se você tem que pagar para entrar em qualquer esquema, há uma chance de ser golpe. Investigue antes, avalie as probabilidades, queira saber quem são os donos do negócio e esteja claro de qual o seu papel.

Se você paga para entrar, tem que trabalhar de alguma forma e não é sócio da empresa, não é um investimento em primeiro lugar. Se você não precisa vender nada para ganhar o seu dinheiro justo e honesto, mas precisa trazer outras pessoas para dentro do esquema, isso é pirâmide. Não caia nessa. Se você não assinou nenhum contrato, não tem nenhuma garantia legal de que seu investimento tem algum retorno ou mesmo que você fez o investimento, isso é golpe, rapaz, como você acreditou nessa história?

Toda vez que alguém vier te oferecer uma proposta de dinheiro fácil, desconfie.

Mais referências

Facebook Social Search is in the house

Há alguns dias o Facebook anunciou sua “próxima grande coisa” (numa tradução livre e tosca do que eles mesmos disseram sobre isso): a Busca Social. Diferente do Web Search, que por mais que o Google esteja investindo em personalização em uma espécie de curadoria de resultados (o que eu acho bem ruim), não é a mesma coisa que você mesmo filtrar o tipo de resultados que deseja obter.

O Social Search do Facebook, usa suas conexões, interesses, fanpages e conexões de suas conexões, para exibir os resultados que você está buscando. Você pode usar uma variedade de combinações, sem uma ordem específica, para obter os resultados desejados.

Vamos aos exemplos de Social Search

Digamos que você queira saber, por exemplo, quantos e quais dos seus amigos de escola estão no Facebook e moram na mesma cidade que você. No meu caso, a busca seria: people who went to CEFET-BA and live in São Paulo, Brasil. O próprio Facebook vai sugerindo enquanto você digita. As primeiras pessoas listadas, abaixo:

Social Search 01 - Tecnocracia

Esse resultado foi enorme, com muita gente que eu não conheço, de períodos diferentes. Digamos que eu queira refinar um pouco essa busca, listando apenas amigos de amigos (lembre-se, “amigos” no caso são suas conexões de Facebook, ok? o sistema não adivinha quem é seu amigo). Minha busca foi: Friends of my friends and my friends who went to CEFET-BA and live in São Paulo, Brazil. A lógica era descobrir contemporâneos da escola que estão morando em Sampa. Mas o FB Social Search ainda não está tão afinadinho e me listou, dentro de vários outros resultados corretos, um ex-colega de sala que mora em outra cidade. Quén.

Social Search 02 - Tecnocracia

Vamos então resumir aos amigos e buscar outra entidade dentro do site do Sr Mark. Fotos :). Modo stalker ativado.

Social Search 03 - Tecnocracia

Tá vendo aquela caixinha ali do lado? Você pode usar para filtrar suas buscas, ao invés de se matar caprichar no seu inglês. Facilita bastante, não é?

Outros exemplos de busca que podem ser interessantes:

  • my female friends who are single (olhaí a prospecção pros solteiros)
  • my male friends who works at [sua empresa] and likes basketball (procurando parceiros pra jogar?)
  • female friends of my friends who lives in [sua cidade] and are single and like beer (opa!)
  • places my friends have been in [cidade onde você está viajando a trabalho] (onde é legal de ir?)
  • photos of my (female) friends taken in [nome de uma balada] (prospecção ou zoação só mudando uma palavra)

Em que isso é importante?

Em várias coisas. Como eu disse, o Google hoje já faz uma espécie de seleção dos resultados pra você, o que é uma merda, porque ele não sabe o que você está buscando, ele apenas tenta adivinhar. Além disso, uma busca web é muito diferente de uma busca social. Você sabe o que você quer ver, pode filtrar da forma que bem quiser no momento e a única pessoa que pode impedir que determinado conteúdo seja visto é o proprietário dele, o usuário, através dos filtros de privacidade.

A tendência é que existam duas internets (ou várias). A pública e a privada, dentro dos grandes sites fechados, como o Facebook. Acho que nem o Mark quando roubou a ideia dos professores imaginava que seu site um dia poderia ser uma espécie de Internet privada, do tamanho ou maior que pública. Como tudo tem seu lado ruim, hoje o Google controla as buscas, o Facebook controla o que é social. Decisões podem ser tomadas à sua revelia, afinal, não se esqueça que o site é privado e apesar de você colocar um monte de conteúdo nele, aquele pedacinho de terra virtual não é seu e pode ser retirado de você a qualquer tempo.

Você curtiu o Social Search? Tem preocupações de privacidade? Quer sugerir alguma busca interessante? 😉