Tema: redes-sociais

Facebook pode ser usado para manipular suas emoções

Facebook manipulation

Essa foi a conclusão de um estudo realizado pelos pesquisadores do próprio Facebook e publicado em forma de artigo científico. O estudo em si não é muita novidade, já que sabemos que o ser humano é influenciável pelas emoções do meio – não importa se o meio é digital ou não. A conclusão é que precisa ser outra.

O estudo conduzido com a nossa permissão – ao concordar com os termos de uso da rede social de Mark Zuckerberg – manipulou o newsfeed de cerca de 600 mil usuários, selecionando aleatoriamente os perfis que receberiam mais textos e notícias negativas ou mais positivas. Com base nesse filtro, os pesquisadores avaliaram se essa exposição ao positivismo ou negativismo faria diferença nos posts que os usuários compartilhariam. E, como esperado, fez. Os participantes do teste foram “contaminados” pelas emoções dos seus amigos, passando a também disseminar o mesmo.

Com base nesses resultados o que devemos considerar? O fato de estarmos utilizando um serviço gratuito e que nós o pagamos com nossos dados e nosso comportamento – e até concordamos com isso ao utilizar – faz com que nos tornemos reféns dos filtros que a empresa quiser aplicar. E já aplica, segundo eles, para que nossa timeline tenha mais relevância para nós mesmos. Mas nós sabemos que é uma empresa que busca rentabilizar o máximo de seus serviços (e nossos dados, matéria prima), certo? Quem nos garante que os filtros já não estão sendo (ou não serão) vendidos? Continue lendo “Facebook pode ser usado para manipular suas emoções”

Cinco dicas sobre o Tinder

Tinder

Todos os dias surgem novos aplicativos e redes sociais no mundo. A maioria simplesmente morre antes de alcançar seu primeiro milhão de usuários, mas algumas caem nas graças e acabam sendo divulgadas, curtidas, compartilhadas por aí. Os brasileiros são famosos hoje por representarem uma parcela boa de “sucesso” nesses sites. Se os brasileiros adotarem, boa sorte de vingar.

A última novidade que caiu na “boca do povo” foi o site / aplicativo Tinder. Mas, talvez por questões idiomáticas, parece que os brasileiros não pegaram muito bem qual o sentido da coisa. Então eu resolvi fazer esse texto para explicar o que para alguns parece óbvio:

Tinder foi feito para pegação

Sim, meus caros amigos, muita gente não entendeu e precisamos explicar. São tantos perfis com “estou aqui buscando amigos” ou pessoas comprometidas ou pior: menores de idade. Então se faz necessário explicar, bem explicadinho, algumas coisas. Talvez fique mais fácil daqui pra frente, talvez as pessoas simplesmente não se importem e ignorem o que vou falar, mas pelo menos elas estarão conscientes, certo? Continue lendo “Cinco dicas sobre o Tinder”

Facebook Social Search is in the house

Há alguns dias o Facebook anunciou sua “próxima grande coisa” (numa tradução livre e tosca do que eles mesmos disseram sobre isso): a Busca Social. Diferente do Web Search, que por mais que o Google esteja investindo em personalização em uma espécie de curadoria de resultados (o que eu acho bem ruim), não é a mesma coisa que você mesmo filtrar o tipo de resultados que deseja obter.

O Social Search do Facebook, usa suas conexões, interesses, fanpages e conexões de suas conexões, para exibir os resultados que você está buscando. Você pode usar uma variedade de combinações, sem uma ordem específica, para obter os resultados desejados.

Vamos aos exemplos de Social Search

Digamos que você queira saber, por exemplo, quantos e quais dos seus amigos de escola estão no Facebook e moram na mesma cidade que você. No meu caso, a busca seria: people who went to CEFET-BA and live in São Paulo, Brasil. O próprio Facebook vai sugerindo enquanto você digita. As primeiras pessoas listadas, abaixo:

Social Search 01 - Tecnocracia

Esse resultado foi enorme, com muita gente que eu não conheço, de períodos diferentes. Digamos que eu queira refinar um pouco essa busca, listando apenas amigos de amigos (lembre-se, “amigos” no caso são suas conexões de Facebook, ok? o sistema não adivinha quem é seu amigo). Minha busca foi: Friends of my friends and my friends who went to CEFET-BA and live in São Paulo, Brazil. A lógica era descobrir contemporâneos da escola que estão morando em Sampa. Mas o FB Social Search ainda não está tão afinadinho e me listou, dentro de vários outros resultados corretos, um ex-colega de sala que mora em outra cidade. Quén.

Social Search 02 - Tecnocracia

Vamos então resumir aos amigos e buscar outra entidade dentro do site do Sr Mark. Fotos :). Modo stalker ativado.

Social Search 03 - Tecnocracia

Tá vendo aquela caixinha ali do lado? Você pode usar para filtrar suas buscas, ao invés de se matar caprichar no seu inglês. Facilita bastante, não é?

Outros exemplos de busca que podem ser interessantes:

  • my female friends who are single (olhaí a prospecção pros solteiros)
  • my male friends who works at [sua empresa] and likes basketball (procurando parceiros pra jogar?)
  • female friends of my friends who lives in [sua cidade] and are single and like beer (opa!)
  • places my friends have been in [cidade onde você está viajando a trabalho] (onde é legal de ir?)
  • photos of my (female) friends taken in [nome de uma balada] (prospecção ou zoação só mudando uma palavra)

Em que isso é importante?

Em várias coisas. Como eu disse, o Google hoje já faz uma espécie de seleção dos resultados pra você, o que é uma merda, porque ele não sabe o que você está buscando, ele apenas tenta adivinhar. Além disso, uma busca web é muito diferente de uma busca social. Você sabe o que você quer ver, pode filtrar da forma que bem quiser no momento e a única pessoa que pode impedir que determinado conteúdo seja visto é o proprietário dele, o usuário, através dos filtros de privacidade.

A tendência é que existam duas internets (ou várias). A pública e a privada, dentro dos grandes sites fechados, como o Facebook. Acho que nem o Mark quando roubou a ideia dos professores imaginava que seu site um dia poderia ser uma espécie de Internet privada, do tamanho ou maior que pública. Como tudo tem seu lado ruim, hoje o Google controla as buscas, o Facebook controla o que é social. Decisões podem ser tomadas à sua revelia, afinal, não se esqueça que o site é privado e apesar de você colocar um monte de conteúdo nele, aquele pedacinho de terra virtual não é seu e pode ser retirado de você a qualquer tempo.

Você curtiu o Social Search? Tem preocupações de privacidade? Quer sugerir alguma busca interessante? 😉

Elgg. Crie sua própria rede social

Tem gente dizendo (faz tempo) que o blog morreu, Twitter está morimbundo e as redes sociais têm câncer incurável. Balela. O fato de as tecnologias mudarem constantemente, não quer dizer necessariamente que um meio substitui o outro. O conceito de “morrer” nesse caso não é tão fatal. O uso pode reduzir, até bastante, mas não vai chegar a ficar nulo.

Sobre as redes sociais especificamente, já que é este o assunto do post, a minha visão é a de que todos os sites tendem a virar “redes sociais”, reduzindo as que nós conhecemos hoje ao papel de “organizador de panelinhas” (ou agenda dos bródi). É bastante provável que essas próprias redes já tenham pensado nisso e, em algum momento provavelmente próximo, criem mecanismos que facilitem a integração de seus grafos sociais (os relacionamentos dos seus usuários), criando uma noção de “interredes” – onde todas as redes sociais sejam baseadas em uma única malha de relacionamentos.

Viagem? Talvez, mas tenho certeza de que não sou o único que pensa dessa forma. É uma possibilidade, não quer dizer que é a única ou a mais provável. Veremos os próximos passos no seu tempo. Continue lendo “Elgg. Crie sua própria rede social”

Linkedin agora também em português

O Linkedin é uma rede de contatos profissionais. Um lugar onde as pessoas podem se relacionar com outras, mas com o objetivos diferentes de uma rede social. O negócio não é fazer amigos, mas montar o seu networking, encontrar antigos colegas de trabalho, se relacionar com contatos, parceiros e colegas atuais, ver e ser visto pelo mercado.

No Brasil o site, apesar de se mostrar um pouco tí­mido e até então não possuir uma estratégia local, tem crescido bastante. Tanto que já são cerca de 1 milhão de usuários e mais de 8 mil grupos relacionados ao Brasil. E, se esse crescimento já chamou a atenção do Linkedin, agora as chances de investimento no paí­s crescem consideravelmente.

Hoje foi lançada a versão em português da maior rede profissional do mundo. Não somente o perfil profissional, que já poderia ser editado em outros idiomas, mas todo o site, incluindo o atendimento ao usuário, estão traduzidos. Atendentes estão prontos para responder aos usuários em nossa lí­ngua e também é possí­vel veicular publicidade direcionada, através do parceiro de vendas .FOX.

É um passo importante em direção ao paí­s. Em uma conversa com Arvind Rajan, VP de operações internacionais do Linkedin, hoje í  tarde, a impressão que tive é que estamos muito próximos de sediar um escritório local do site. Já com base de operações em 5 outros paí­ses, o Linkedin está sim, decidido a instalar-se no Brasil, só que ainda não existe uma data definida.

A mudança para o idioma local não será obrigatória (você pode fazê-la aqui), mas usuários novos, não logados, que acessarem o site do Brasil ou com o idioma do navegador setado para português, serão direcionados para a versão local. Uma forma de incentivar a adoção do site.

Você já tem uma conta no Linkedin? Tem algum caso para compartilhar de como o site ajudou sua vida profissional de alguma forma? Manda aqui nos comentários.