Internet,  Negócios

Uns trocados não fazem mal a ninguém


Desde que esse blog foi ao ar, não paro de experimentar coisas nele. Todos os dias dedico um pouco do meu tempo (tá, tudo bem, tem uma semana que não faço nada. Mas é por pura correria) para mexer um pouco, adicionar alguma coisa, testar alguma nova funcionalidade ou – o principal – escrever.

Participo de uma lista de blogueiros brasileiros onde vira e mexe um assunto vem í  tona: rentabilização de blogs (ou monetização). Sempre discutem as melhores ferramentas, posicionamento, cores, estratégia, quem clica, quem não clica, etc. Fiz algumas experiências com algumas ferramentas disponí­veis e quero compartilhar com vocês.

Polí­tica de Uso

Em primeiro lugar, gostaria de esclarescer que minhas observações não podem ser consideradas “problogging”, pois não fiz nenhuma otimização para promover o clique nas ferramentas testadas, e os “trocados” ganhos não representam 1% do que alguém dedicado a ganhar dinheiro com blogs pode alcançar, com o devido trabalho. Dito isso, é importante lembrar que o posicionamento da publicidade é um fator importante para o clique, e no caso do Tecnocracia, atualmente temos apenas locais “não estratégicos” e “não intrusivos” onde posiciono as ferramentas citadas. No rodapé de um artigo “completo” (página única) e na lateral direita, acima da dobra.

Google AdSense

Fiz dois tipos de testes com o Google AdSense. O primeiro que foi inserí­-lo nas áreas disponí­veis e o segundo foi remover durante quase 1 mês da lateral e mantê-lo apenas no rodapé da página única (em cada artigo).

No primeiro mês, onde o AdSense estava presente e fixo na lateral direita e no rodapé de cada artigo, o Google contabilizou US$ 3,30 em minha conta. Durante o segundo mês, aparecendo apenas na parte inferior de cada artigo em sua página individual, US$ 2,21.

Na metade do primeiro mês, fiz uma alteração para que um outro AdSense fosse exibido apenas aos usuários “para-quedistas” (aqueles que chegam até o blog vindos de um mecanismo de busca). O banner era exibido na home, logo abaixo do tí­tulo do primeiro artigo, no topo da tela. Resultado: Nenhum clique.

Submarino

Me surpreendeu o programa Afiliados Submarino. Eu que achei que não funcionava, acabei gerando 2 compras pelo site, sendo uma através de banner lateral e a outra com uma resenha de livro. Rendeu-me pouco mais de 6 reais, mas já deu para perceber que é muito melhor indicar um livro que uma webcam.

A taxa de cliques é bem alta, mas a de conversão é baixa a depender do produto indicado. Por isso pode exigir um certo trabalho para rentabilizar algo mais que uns trocados.

HotWords

Ainda não entendi bem o sistema de remuneração do HotWords, no entanto se trata da exibição de anúncios contextuais, baseado em palavras-chave definidas pelo anunciante, que flutuam sobre o texto ao passar o mouse sobre a palavra sublinhada. A exibição não conta, apenas o clique. Embora seja uma forma de anunciar menos intrusiva que o AdSense, o retorno é muito menor, tanto na taxa de cliques como na remuneração financeira – acumulei cerca de 60 centavos em um mês. No mais, propagandas flutuantes no mouseover irritam o usuário.

DreamHost

Funciona como o Submarino, você indica através de link ou criando cupons de descontos, a pessoa se cadastra, paga e você ganha uma comissão. O grande lance é que a comissão é de US$ 97 (noventa e sete dólares) para cada usuário indicado. Se você criar cupons de desconto, sai da sua comissão, é claro. Nesse perí­odo, apenas um usuário criou sua continha no Dreamhost através de meu link, oque gerou em minha conta Paypal o valor supra-citado.

Outros Afiliados

Camiseteria, Paypal e Text Link Ads até agora não apresentaram rendimento algum. Como são programas comissionados, é preciso que o serviço seja atraente para que o usuário direcionado se interesse em utilizar e assim gerar algum rendimento para o afiliado. O MercadoLivre também tem um programa comissionado, mas pelo que percebi precisa ser minimamente gerenciado e otimizado para gerar algo.

Resumo da Ópera

No meu curto experimento, deu pra perceber quais os programas “auto-sustentáveis” e quais precisam de alguma ajuda para alavancar algum rendimento para o seu blog. Após alguns problemas aduaneiros, o AdSense continua sendo mais fácil e constantes. O rendimento é pingado, mas a torneira não seca.

Programas como o do Submarino, MercadoLivre e DreamHost podem ser bem rentáveis, desde que exista uma certa otimização de conteúdo, direcionamento, planejamento de posições e cores para chamar a atenção do usuário e – com relação ao DreamHost – bastante informação sobre o serviço, para facilitar a vida do usuário que não é muito familiarizado com o idioma do Tio Sam.

Se apenas algum rendimento extra for satisfatório para você – como é para este humilde blog – invista em localizar bem o seu espaço de publicidade e disponibilizar os programas mais comuns de forma aleatória (eu uso o plugin AdRotator). Caso seu objetivo seja viver de escrever no seu blog, recomendo alguns links para sua visita, ou para se instruir ou se espelhar. Boa sorte!

[UPDATE] Links corrigidos.

Olá!
Gostei do artigo, principalmente, pq percebo que a internet está se tornando, aos poucos, aqui no Brasil, uma verdadeira convertedora de mí­dias, tanto em conteúdo(texto,imagem e ví­deo), quanto em publicidade.

Gostei muito das dicas! Parabéns!

Abraço.