• Misc

    Será que a TV vai voltar a ser o centro das atenções?

    De tempos em tempos, ouvimos alguém falar em  “telas” por aí. A “primeira tela”, a “sgeunda tela”, e por aí vai. Parecem aqueles marcos que separam as Internets em fases (quantas vezes já ouvimos falar em Web 2.0, Web Square, etc?), mas em muitos momentos isso faz bastante sentido e é interessante observar as migrações de interesse e atenção dos usuários/consumidores pelos canais existentes.

    Qual será o próximo passo? O que iremos inventar de nvas telas que despertem esse interesse. Será que o Google Glass poderá ser considerado uma  “tela” diferente dos celulares e tablets? o que dizer do iWatch, que ainda nem foi lançado e já existe fila de interessados? A minha aposta é outra: a TV, ou melhor, a convergência na TV.

    TV, a primeira tela

    TV, a Primeira Tela

    Tudo começou com ela, há (a sensação é de) eras. A TV se tornou o centro das reuniões familiares, da publicidade, da divulgação de notícias e do entretenimento. Ainda hoje se investe uma grana exorbitante nesse canal, que já foi tantas vezes dado como morto, assim como o rádio, o jornal e a revista.

  • Produtos,  Social

    Inclusão Digital vs Lixo Eletrônico vs Meio Ambiente

    Sabe aquele seu mouse de R$ 10 que parou de funcionar e só move o cursor para a esquerda? Não presta mais, vai para o lixo, obviamente. Mas que lixo? Você sabe para onde esse material será encaminhado? Sabe que tipo de problemas ao meio ambiente ele pode causar se for desconsiderado nas triagens do lixo comum?

    Um mouse pode não causar tantos problemas, mas um monitor colorido, por exemplo, pode ter cerca de 3 quilos de chumbo, metal pesado altamente contaminante. Muitos outros equipamentos são feitos de materiais poluentes e tóxicos, mas não são tratados com o cuidado devido após o seu descarte. Eu até lancei uma campanha com o tema, mas infelizmente não tive muitos adeptos.

  • Internet,  Social

    Malefí­cios da tecnologia

    No ápice da revolução industrial, o mecanicismo era um grande mal, aliado í s jornadas de trabalho extensas e o trabalho exaustivo e repetitivo do homem-máquina. Isso fez com que surgissem as associações de classe para lutar pelo direito do trabalhador. Mas, veja bem, nessa época ninguém sofria de LER ou stress. Não que esteja defendendo o modelo anterior, apenas criticando o atual.

    Hoje temos máquinas que substituem a maioria do trabalho braçal. O maquinário que temos que lidar não nos exige esforço sobre-humano e nossa jornada está reduzida (teoricamente) a 8 horas diárias. No entanto é cada vez mais comum um afastamento por L.E.R. (Lesão por Esforço Repetitivo) ou stress. E qual a causa disso?

    O mau uso da tecnologia

  • Misc,  Produtos

    Computador barato (que sai caro?)

    Em 2006 notei uma coisa que por um lado me deixa muito feliz e por outro preocupado. Os computadores estão ficando cada vez mais baratos e vendidos em qualquer lugar. É ótimo saber que a informática está sendo “acessibilizada”, porém a que preço?

    Embalagem não é nada!

    Minha principal preocupação com os anúncios de computadores baratos é a relação custo x benefí­cio. A grande maioria das propagandas de grandes redes de lojas de eletrodomésticos (isso, computador igual a [BP]TV[/BP] ou [BP]fogão[/BP]) e hiper-mercados atacando o flanco informático anuncia suas peças como “computador completo” ou “com dvd e [BP]gravador de cd[/BP]”, esquecendo do principal: o motor. Muitos micros anunciados na faixa de R$ 1.000,00 (mil reais!!!) são micros compostos de placa-mãe toda onboard, com limitações de upgrade, pouca memória (128 ou 256 Mb), processadores econômicos (quase sempre Celeron) e monitores de 15″ (que já estão saindo de linha).