• Internet,  Segurança

    Facebook Dislike Button : Balela

    De tempos em tempos esse aplicativo reaparece, junto com um outro que diz exibir os visitantes de seu perfil no Facebook. O app em questão promete inserir um botão “Não Curti” na sua conta do Facebook, para aqueles momentos em que sua maior vontade era xingar aquele seu amigo que compartilha “Eu Quero Tchu” ou “Odeio Segunda-Feira” regularmente.

    Mas, não, amigos, tal botão simplesmente não existe. E o próprio Mark Zuckerberg, criador do Facebook, já declarou algumas vezes que não tem nenhuma intenção de criar um botão “Não Curti”. Sua intenção dentro do site é apenas compartilhar coisas que você realmente gosta. Caso não goste, você pode ignorar, denunciar (se for ofensivo) ou cancelar a assinatura de seu amigo, caso fique muito puto com ele ;-).

    O aplicativo Facebook Dislike Button não é um virus propriamente dito, mas ele tem comportamento viral. Quando você aceita o “convite” de um amigo para usar o app, automaticamente ele rouba seus dados do Facebook, dá um curtir numa Fanpage chamada “Enable Dislike Button” (que promove o aplicativo) e convida seus amigos para participar do Dislike. A desculpa é engolível: seus amigos precisariam do aplicativo para ver as coisas que você não curtiu ;-). Mas o propósito é apenas roubar mais dados de usuários o quanto possível.

    Como se proteger e o que fazer se você aceitou

    Você deve ter uns convites pendentes de amigos para usar o tal botão. Simplesmente apague todos e compartilhe esse post aqui com seus amigos: http://balela.info/dislike/. Assim eles vão saber como se defender.

    Caso você já tenha aceitado o convite e esteja com o aplicativo instalado em seu Facebook, siga os passos abaixo para remover a ameaça e se prevenir de um problema futuro:

    Como remover aplicativos do Facebook

    Como remover aplicativos do Facebook

    1. 1. Clique na setinha do canto superior direito da sua tela e selecione a opção  “Configurações de privacidade”
    2. 2. Encontre na lista a opção “Aplicativos e sites” e clique em “Editar configurações” logo ao lado da opção
    3. 3. Clique no X vermelho “Remover”
    4. 4. Encontre na lista os aplicativos maliciosos que você busca (nesse caso, qualquer coisa com “Dislike”) e clique no “X” ao lado da opção “Editar”, do lado direito do nome do aplicativo. Na sequencia, clique no botão “Remover”

    Como bloquear e denunciar uma página no Facebook

    Como denunciar uma página no Facebook

    1. 1. Vá para o endereço da página em questão
    2. 2. Clique no botão “Curtiu”, caso ele esteja selecionado, para remover sua opção de curtir
    3. 3. Ao lado do botão “Curtir”, clique no desenho da engrenagem, do lado direito
    4. 4. Selecione “Denunciar página”
    5. 5. Na sequencia, marque a opção “Spam ou fraude” e clique “Continuar”
    6. 6. Clique “Ok” para finalizar

    Compartilhe esse post aqui com seus amigos, enviando para eles esse endereço: http://balela.info/dislike/ ou clicando em “Facebook”, no quadradinho azul do canto superior direito desse post.

  • Internet

    Google+. Mais uma tentativa da Google de ser “social”

    Já fazem alguns dias que a gigante das buscas lançou o seu mais novo serviço, que alguns dizem ser uma rede social, mas a própria empresa nega esse rótulo. O Google+ (plus) chegou fazendo um baita barulho, utilizando a já conhecida estratégia dos “convites limitados” (mas abrindo as pernas bem rápido) e sendo falada em toda a Internet. Todo mundo quer testar o tal serviço, com isso, a base de usuários cresceu absurdamente rápido, mas eu vejo pouca gente efetivamente usando a ferramenta.

    E, afinal, o que é o tal “plus”?

    Alguns dizem que é uma tentativa marromeno de copiar o Facebook, outros dizem ser uma cópia melhorada do Yahoo! Meme, outros ainda dizem ser uma evolução do falecido Jaiku (da própria Google), mas no frigir dos ovos é um aglomerado de intersecções de outros serviços Google.

  • Internet

    Amplie sua imagem de perfil no FaceBook


    Na verdade você amplia a percepção da sua imagem em seu perfil, o que na prática pode dar no mesmo. Chama-se Gestalt – o nosso cérebro acaba completando as partes que faltam da imagem (nunca imaginei que citaria Gestalt aqui no Tecnocracia).

    A técnica está sendo utilizada desde que o novo perfil do FaceBook está disponí­vel, mas antes era tarefa para uns poucos, que tinham a paciência de fazer os recortes manualmente. Como tudo na Internet evolui muito rápido, já existem aplicações que fazem todo o trabalho por você, desde o recorte da imagem até o upload das mesmas. Você só precisa marcar as imagens.

  • Internet,  Segurança

    4 dicas para a sua segurança online

    Uma pesquisa da Opiniões de Valor, feita no fim de 2009 para a VeriSign revelou que 73% dos internautas brasileiros não são capazes de identificar as formas de phishing. No Brasil as principais questões, por ordem de importância:

    • Erros ortográficos – 73% enganados.
    • Inexistência do símbolo do cadeado na barra de endereço do navegador – 54% enganados
    • Solicitação de informações adicionais sobre conta – 36% enganados
    • URL contendo um nome de domínio numérico e não-específico – 33% enganados

    Para saber se um site é genuíno ou não, e se ele protege seus dados pessoais, preste atenção nestes itens:

    Barra de HTTPS no Firefox
    Barra de HTTPS no Firefox

    1. https:// o “s” no https:// significa que o site é criptografado, portanto as informações inseridas no site estão seguras. Apesar de alguns sites de phishing possuírem um endereço de Web seguro, muitos não têm. Portanto, os visitantes do site devem estar atentos para a falta de segurança em sites que deveriam tê-la. A Webjet, por exemplo, não tem área de compras fechada, mas não é um site de phishing (embora exponha os dados de seus clientes na internet).

    Cadeado de segurança no Internet Explorer
    Cadeado de segurança no Internet Explorer

    2. O ícone do cadeado: para ser verdadeiro, este ícone deve aparecer no navegador e não dentro do conteúdo da própria página.

    3. Marcas de confiança: pistas visuais simples sob a forma de logotipos populares podem mostrar que um site é autenticado e seguro e que a empresa é respeitável.

    4. Verifique o endereço: suspeite de qualquer site com um domínio desconhecido e que contenha o nome de um site conhecido na última parte do seu endereço Web.

    Barra de HTTPS no Firefox
    Barra de HTTPS no Firefox

    5. Barra de endereços verde: isso significa que este site tem autenticação, de modo que você pode ter certeza que é o site que afirma ser.

  • Internet

    Elgg. Crie sua própria rede social

    Tem gente dizendo (faz tempo) que o blog morreu, Twitter está morimbundo e as redes sociais têm câncer incurável. Balela. O fato de as tecnologias mudarem constantemente, não quer dizer necessariamente que um meio substitui o outro. O conceito de “morrer” nesse caso não é tão fatal. O uso pode reduzir, até bastante, mas não vai chegar a ficar nulo.

    Sobre as redes sociais especificamente, já que é este o assunto do post, a minha visão é a de que todos os sites tendem a virar “redes sociais”, reduzindo as que nós conhecemos hoje ao papel de “organizador de panelinhas” (ou agenda dos bródi). É bastante provável que essas próprias redes já tenham pensado nisso e, em algum momento provavelmente próximo, criem mecanismos que facilitem a integração de seus grafos sociais (os relacionamentos dos seus usuários), criando uma noção de “interredes” – onde todas as redes sociais sejam baseadas em uma única malha de relacionamentos.

    Viagem? Talvez, mas tenho certeza de que não sou o único que pensa dessa forma. É uma possibilidade, não quer dizer que é a única ou a mais provável. Veremos os próximos passos no seu tempo.