Internet

Firefox é bloqueado em alguns sites por conta do AdBlocker

Firefox BlockedTomei conhecimento agora que alguns sites estão bloqueando o acesso aos usuários de Firefox pelo simples motivo de existir uma ferramenta que roda no Firefox e que impede a exibição do AdSense. É o AdBlock Plus, uma extensão que é configurada para bloquear determinadas chamadas JavaScript, que pode incluir desde o AdSense até qualquer outra programação cliente-based – inclusive trackers, image replacers, etc. É muito simples criar um novo filtro.

Ok, concordo que um site que sobrevive por conta de sua publicidade ficará desfalcado caso seus visitantes estejam usando tal extensão, concordo também que isso pode fazer com que o site saia do ar (caso sua receita seja unicamente advinda do AdSense), mas devo salientar que discordo completamente do bloqueio í  liberdade do usuário escolher o browser que mais lhe agrade. De outra forma eu já teria bloqueado o IE6 em meus sites, dado o trabalho que tenho em adaptar os layouts com hacks para ficarem plenamente funcionais.

A Internet nasceu e deve permanecer livre. Se o usuário não quer ver AdSense nos sites que navega, é um direito dele. Infelizmente isso prejudica quem se mantém com aquela receita e talvez o próprio usuário um dia se toque disso ao ver sites de sua preferência começarem a ter queda nas atualizações ou ficarem offline de vez.

Diversificar suas fontes de receita

Por outro lado, cabe ao editor do site procurar outras formas de rentabilização que não seja AdSense. Aquela coisa de não colocar todos os ovos numa mesma cesta. Programas afiliados existem aos montes, cabe a nós escolhermos os melhores e aplicarmos nos nossos sites de forma diferente, estudar, experimentar.

Uma outra coisa que é muito oportuna falar, em tempos de ataques da mí­dia tradicional e crescimento da visualização de blogs em todo canto, é o estí­mulo de publicidade direta, seja através de links patrocinados, resenhas pagas, espaço para banners, campanhas pagas, whatever.

Bloquear um navegador e ainda cometer uma tremenda gafe ao chamar os seus usuários de ladrões*, não é mesmo uma boa opção. Além de ficar mal visto e obviamente perder muitos leitores, cria-se uma reação desnecessária que acaba por prejudicar o ambiente. Certamente alguns usuários que não utilizavamo AdBlocker passarão a utilizá-lo em conjunto com o User Agent Switcher – que simula qualquer navegador existente – e isso prejudicará não só os sites que estão bloqueando-os, mas todos os outros que se beneficiam do AdSense.

Isso é o que eu chamo de um bloqueio burro e inconsequente.

* Links com nofollow
[tags]Firefox,Bloqueio,Internet,Problogger,AdSense[/tags]

Quem produz conteúdo tem todo o direito de bloquear quem quer que seja, assim como quem consome conteúdo tem todo o direito de escolher o que deseja ver.
Existe lugar para todos, quem restringe perde audiência, e que discrimina perde conteúdo, felizmente a rede é muito grande e não para de crescer, sempre vai haver conteúdo livre e restrito para todos os gostos.

Gostara de saber programar para escrever a tal extensão que bloqueia (cloca uma tarja preta de preferencia) em termos considerados pornograficos. Para falar a verdade meu firefox ja tem extensão que evita paginas em que o titulo contenha certas palavras. o apice seria tarjar o texto tambem.

Dene discordo completamente.
1. Anuncio não é produção cultural
2. Se eu ao ir num museu quiser impedir de ver as peças que considero obcenas eu vou e pronto, não existe lei alguma que me impeça de fazer isto. Se eu antes de ler uma revista quiser solicitar a minha esposa que retire todos os anuncios de forma automatizada eu faço. A partir do momento em que a pagina entra pela minah porta ela minha. a partir do momento que o browser carega a pagina ela é minha. eu não poss mexer no seu mas no meu sim.
3. Não vejo mal algum em um plugin que retire do texto todas as palavras obcenas. ate achei uma boa ideia para controlar o ue meus filhos veem na internet. Volto a repetir, eu não posso alterara sua produção intelectual, mas a partir do momento em que eu a adquiro ela é minha. Se eu quiser pegar um livro e pintar todas as figuras é meu direito, ele é meu ora bolas, o direito autoral pode me impedir de vender a produção alterada, mas naõ de consumi-la.
4.Se o estadão produzisse uma extensão para IE eu iria achar otimo. Blogueiro não é profissão. Meu blog não tem anuncio e conheço dezenas que não tem. Blogueiro é hobby, os incentivos financeiros são como o nome ja fala so incentivos. Os que trabalham so pelo dinehiro são os qe aceitam termos ridiculos do adsense, conheci blogs que deixaram de publicar putaria depois de se affiliar ao adsense, ou seja aceitaram uma censura.

5. Eu que não conhecia o adblock após toda essa propaganda contra conheci, e vou começar a utilizar em conjunto com o User Agent Switcher, e vou entrar no site que eu quiser. E se fizerem uma forma de bloquear o adblock em uma semana desbloqueiam. É a vida amigão, se nem as empresas de musica, cinema, livros e quadrinhos impediram a internet não vai ser um punhado de blogueiros que vai conseguir.

Dennes Torres, tu é muito tolo, desculpe-me a sinceridade. O que é exibido no navegador do usuário não é teu site de fato, mas uma cópia de cache. O usuário exibe como quiser. Não tem nada de “arrancar um pedaço da tua produção cultural”.

Vamos comparar? Se eu não quiser ver tua cabeça e restringir parcialmente minha visão com a mão? Arranquei tua cabeça? Vai me bloquear pelo uso indevido da minha visão? Vai me difamar pelo uso do “addon Pálpebra/Mão Plus”? Pensa melhor nas bobagens que tu disse, ok? O browser é do usuário e ele deve controlá-lo. Essa é a grande sacada do firefox em cima do IE.

Amigão, não é a questão clicar ou não clicar. Algumas campanhas são por exibição e não por clique.

O bom seria que nós os editores de sites, cobrar-mos uma quantia em dinheiro pro pessoal acessar nosso conteúdo, igual TV paga, assim a gente não precisa colocar propaganda, né?

Ah, não estão mais barrando o firefox, só estão barrando quem usa a extensão adblocker agora, o que eu acho justo.

Somos livres para não ver as propagandas certo? também somos livres para não acessar os sites que estão poluí­dos de propaganda, é simples assim amigo! Não precisa bloquear a propaganda, é só não entrar.

Quando vc entra no site gera tráfego, faz download gera tráfego e quem paga por ele? Os editores dos sites.

Tome como exemplo o programa MV Reg Clean, mais de 1 milhão de downloads, totalmente freeware, o criador só pede no site que, se o programa foi útil para você, que deposite qualquer quantia na conta dele. Me diga, o que vale 1 real por um programa que tem tamanha utilidade? Ou melhor, 10 centavos, não custa nada não é? Pois é, apenas 14 pessoas contribuiram, juntando apenas 40 reais ao criador do software.

Depois alguma grande empresa compra o sofware, vende por 50 reais por cópia ou mais, e todo mundo acha ruim, reclama, nossaaa, como está caro. Agora desses mais de um milhão de downloads, 5% contribuirem com 10 centavos, o programador ganharia 5 mil reais, dinheiro talvez suficiente para mantê-lo por alguns meses, e assim projetar uma nova versão muito melhor.

Imaginem nós fazendo pareria com algum meio de informação, que manipule as informações do meu site, como o governo injetando dinheiro para ficar-mos de bico calado sobre tudo o que acontece? As propagandas, tanto na tv, quanto na internet garantem renda, isso faz você não precisar que certos meios injetem dinheiro em troca de algum silêncio. Na tv acontece muito isso.

O desenvolvedor do programa (que acho ótimo) disponibiliza gratí­s por que quer, existe dezenas de programas free com efeito semelhante. Pedir ele pode, contribui quem desejar.
E o que ele ganha? Certamente muito, a fama de programador auferida pelo programa é um excelente marketing para conseguir renda indireta.

Oi !

Concordo em 100% com o Alexandre, mas depende disso ser tecnicamente possivel.

O pessoal que andou trabalhando mais a fundo nisso, sabe se é possí­vel ?

Acredito que quem está bloqueando o firefox o está fazendo por não encontrar outra solução, que bloqueie apenas os usuários deste plugin

[]’s

Parece ser equivocado.
Acredito no seguinte: não precisa bloquear usuários de Firefox, e sim, bloquear usuário de Adblock. acho muito mais relevante!
É como não aceitar os termos de serviço: “-Te dou este serviço, mas aceite os adsense”.
Oras, senão os emails não teriam propaganda no seu leiaute.

abraços

Oi, Manoel !

Realmente esse é um assunto polêmico e cheio de caminhos e desvios… estamos no limite do que podemos ou não fazer com a tecnologia que temos…

“Calma lá pessoal, eu acho muito exagero dizer que um usuário que altera uma página em seu próprio computador está ferindo direitos autorais. Quantos de nós já não salvou um html, copiou o texto e reformatou no processador de textos para imprimir da melhor forma?”

Com certeza o usuário não está ferindo o direito autoral neste caso, mas um plugin instalado direto no browser que faça com que o usuário nem saiba que algo existe, é diferente.

Vou escrever um artigo bem mais extenso sobre isso em meu blog, mas blogueiros não tem data de fechamento 🙂

“Com relação ao Estadão escrever plugins … tsc tsc … acho mais fácil os blogueiros escreverem plugins para que ninguém veja a publicidade do Estadão.”

Lembra de 1984 ? Os jornais eram editados para que as notí­cias fossem exatamente como o governo desejava.

A tecnologia ai esta. Falta o grande irmão assumir. Se bem que, considerando SL x SP, Blogs x Mí­dia, Polí­tica x Povo, depois que vi esse plugin fiquei seriamente pensando se o grande irmão já não assumiu e estamos todos controlados por ele, fazendo o papel social que está em seus planos.

O maior façanha do demônio foi convencer a todos que ele não existe (por favor, isso não é para ser interpretado de forma religiosa…)

Sim, a questão dos feeds é uma boa questão. Mas será que estamos falando só de anúncios ?

[]’s

Calma lá pessoal, eu acho muito exagero dizer que um usuário que altera uma página em seu próprio computador está ferindo direitos autorais. Quantos de nós já não salvou um html, copiou o texto e reformatou no processador de textos para imprimir da melhor forma?

Concordo com o Bruno Torres em seu artigo quando ele diz que a cópia que está no computador do usuário, que ele baixou porque EU deixei, é dele. Ele pode fazer o que quiser com aquilo, só não pode re-distribuir as alterações.

Com relação ao Estadão escrever plugins … tsc tsc … acho mais fácil os blogueiros escreverem plugins para que ninguém veja a publicidade do Estadão.

E outra, todos nós disponibilizamos os nossos feeds. Praticamente não existem formas de monetizar feeds, principalmente porque os leitores não clicam mesmo. E então? Vamos remover os feeds e obrigar os usuários a entrarem em nossos sites para consumir nosso conteúdo? Daqui a pouco estaremos exigindo login e senha, e mais tarde uma modesta mensalidade.

Não é por aí­.

Oi, Cirilo !

Realmente adorei sua opinião. É essa a idéia. Eu também sou contra o bloqueio de browsers e ninguém (ou muito poucos) entenderam isso…

Você questionou se anúncios são produção cultural… a minha colocação é que não importa… chegamos a um ponto em que os plugins estão mexendo no conteúdo da página que o produtor montou. Por enquanto são anúncios, e quando forem textos ? Isso pode avançar… daqui a pouco estarão conseguindo controlar tags (na verdade em um dos comentários é citado que já conseguem) e por ai vai…

Eu vejo o seguinte : Basta o Estadão, que está perdendo tempo ao nos chamar de macacos, criar um plugin equivalente para o IE e com recursos até mesmo mais avançados e a blogosfera será reduzida ao mí­nimo, quase pó….

[]’s

É direito de cada um escolher que navegador usar para acessar qualquer página na internet. Pode-se até contestar o plugin, como sugeriu o Dennes Torres, pela questão de ser a página uma produção cultural, mas não sei… [preciso ler mais a respeito] Anúncios não me parecem produção cultural. Pode ser que o usuário queira ler o conteúdo, mas não queira ver anúncios, entre outras coisas. O direito de ver o que quiser também é garantido a ele.
Particularmente eu vejo o bloqueio como uma limitação ao acesso, o que condeno veementemente. Só por isso já sou contra, mas não deixo de ver razão na oposição de blogueiros que vivem de seus sites, já que para esses interessa mesmo os anúncios e o dinheiro que lucram. São olhares diferentes sobre o mesmo acontecimento.
É preciso equilibrar essas forças conflitantes: o interesse dos bloguers e dos usuários.
Ainda vai dar muito o que falar.

Várias cestas, é o que eu sempre digo. Bloquear qualquer navegador é o legí­timo tiro no pé, o máximo que e vai adquirir é antipatia. Com a variedade de sistemas de monetização, é possí­vel manter a entrada mesmo com ads tradicionais bloqueados. Sem contar que o usuário médio não se incomoda com os mesmos.

Esse Dennes Torres é realmente muito bom…

Tipo… os links patrocinados são uma “produção cultural” dele…

O cara deve ter a grana hein?!

Que perda de tempo. O pior é que nós fazemos a maior campanha em favor do Firefox, o Google nos paga para anunciarmos e o site vai e faz isso. Os mais sabidos vão se virar; os menos sabidos vão pensar que o site não existe. Assim o site perde consumidor de conteúdo e consumidor de produtos/serviços.

Também sou contra o bloqueio de qualquer tipo de browser. É inútil, não tem sentido algum. Mesmo.

Mas observe que de um parágrafo sobre a liberdade do usuário de escolher seu browser, o que deve ser garantido ao usuário, você pulou para um parágrafo sobre a liberdade do usuário de não ver pedaços da minha página.

Neste ponto o buraco é muito, muito mais embaixo. Minha página é uma produção minha. Uma produção cultural minha, de meu direito autoral. Se o usuário vai ver com o IE ou com o FireFox, é problema dele, mas nem o IE, nem o FireFox, nem plugin algum tem o direito de arrancar fora um pedaço da minha produção cultural.

É como se um museu, ao expor uma estátua, arrancasse fora o penis por achar muito ofensivo. Quem se ofender que vá embora. O museu que não exponha. O artista produziu daquela forma e ninguém tem o direito de alterar o conteúdo produzido. Estamos falando de direitos autorais.

Eu poderia simplesmente não querer ver a lateral direita do seu site. Mas não tenho o direito de usar uma ferramenta automatizada que a retire de minha vista. Se não me interessa eu ignoro, a liberdade da internet não pode ultrapassar este ponto, mais que isso é ferir os direitos autorais.

Daqui a pouco vão estar criando plugins para alterar palavras obscenas nos sites por palavras mais amenas (tenho certeza que algum blogueiro deve ter um link para uma merda destas), até mesmo para alterar todo o significado de um texto. Então você escreve abóbora e as pessoas lêem abacate.

Quanto a diversidade de anúncios, você fala como se fosse apenas o adsense o atingido. O adSense foi a primeira queda pelo fato de ser americano. Se ler a origem de sua informação vai ver que JáCotei e MercadoLivre também serão cortados.

Outros ? Vai partir para venda de banners ? Montar um Midia Kit ? Não tem importância, os plugins analizam a posição e tamanho das imagens e cortam fora.

Se eu produzo algo, o que eu produzo vai ser visto da forma que eu produzo.

Este plugin para o firefox ultrapassou todos os limites éticos e de direitos autorais possí­veis. Enquanto ele não for derrotado até mesmo na justiça, sabe-se lá, exatamente por ferir direitos autorais, a única solução é barrar o firefox como um todo.

Até o dia em que o Estadão contratar um programador para fazer o mesmo plugin para o IE. Então nós, macacos, teremos que ficar produzindo de graça. Finalmente os portais terão ganho a batalha para manter seus estagiários escrevendo as barbaridades que escrevem em tudo quanto é notí­cia.

[]’s