Parceria tem que ser de mão dupla

A coisa que blogueiro mais vê na Internet é “parceria“. Em todo canto tem um programa de afiliado, um bônus, troca de tráfego, etc. Todo mundo quer ser parceiro. Bacana, mas não me venha com “parceria caracu” que eu caio fora mesmo. Um bom exemplo de que blogueiro não é burro nem bobo foi o […]

A coisa que blogueiro mais vê na Internet é “parceria“. Em todo canto tem um programa de afiliado, um bônus, troca de tráfego, etc. Todo mundo quer ser parceiro. Bacana, mas não me venha com “parceria caracu” que eu caio fora mesmo.

Um bom exemplo de que blogueiro não é burro nem bobo foi o caso Buscapé, cerca de 3 meses atrás. O site de comparação de preços cancelou a contabilização das visitas de afiliados vindas do Google e gerou uma insatisfação geral ao insinuar uma possí­vel “fraude” por parte dos parceiros. Por conta do ótimo atendimento e disponibilidade da pessoa responsável pelo programa, muitos de nós migramos para o JaCotei, um dos concorrentes diretos do Buscapé. E lá estamos até hoje, insistindo, dando dicas, desenvolvendo ferramentas, unica e exclusivamente por causa do Rodrigo Schimidt, gerente de parcerias.

Na mesma onda do JaCotei, o Acalama, site que permite inserir publicidade direta nos sites (anuncie no Tecnocracia) parceiros, decidiu aderir ao atendimento pessoal e se inscreveu na lista Blogosfera, além de ter prometido publicamente criar um blog(!).

Mas não somente programas afiliados estão confundindo o formato parceria. Até uns dias atrás o site Rec6 estava adicionando rel=”nofollow” aos links para os blogs inseridos em seu sistema. Após o Bruno Alves ter denunciado isso, removeram dos artigos populares, mas mantiveram aos links novos. Meus amigos da Via6, quem faz o seu conteúdo? Links novos ou populares, somos nós que alimentamos o seu modelo de negócio. Revejam sua polí­tica ou nós vamos rever as nossas parcerias.

É isso aí­ pessoal, parceria tem que ser uma via de mão dupla. Não adianta chamar de parceiro, corrente, sócio ou coligado, tem que atender bem, fornecer ferramentas decentes e principalmente manter o canal de comunicação aberto e transparente.

Quanto ao Buscapé, bem, eu continuo sem resposta a alguns e-mails enviados antes da migração para o JaCotei. Enquanto isso o Rodrigo está na minha lista do MSN…


Este artigo está participando da maratona Blogando24h.
Comente. Você pode ganhar uma camiseta!

Manoel Netto disse:

Brunão, entendo esse lado do spam mas ainda discordo do nofollow. Eles deveriam implementar uma deleção automática depois de X tempos sem votos. Da mesma forma já existe o “marcar item como duplicado” que faz um trabalho bom. Filtro dado pelo usuário, melhor ferramenta.

Assunção, é isso aí­. Acho sacanagem.

Pessoal, obrigado pela força e participação ativa nos artigos. Não seria possí­vel sem o apoio de vocês.

Assunção Júnior disse:

Acho que os camaradas da via6 estão dando a mesma mancada da wikipedia ao inserir o atributo ‘rel=”nofallow”‘ nos links, não sei bem o porquê disso, mas acredito que isso é uma baita sacanagem conosco, afinal se não produzirmos conteúdo ‘eles’ não exitirão mais…

Bruno Alves disse:

Deixar o nofollow nos textos que estão chegando eu concordo, não concordava, mesmo era na home.

Explico: Eles ou a comunidade não têm qualquer controle sobre os links que estão chegando e o follow poderia ser um grande estí­mulo ao spam (mesmo sem ele já existe muito, imagine com).

Já os textos que chegaram a home, foram votados e confirmados como textos confiáveis e/ou relevantes pela comunidade do site, portanto não haveria sentido serem tratados como links desconhecidos.

Abraço