Facebook publicou seu preço de adesão. Facebook ouro?

Voltou a circular no Facebook o boato de que ele será cobrado. Já rolou no Orkut, no Instagram, no WhatsApp e até no Hotmail. A mensagem não é nada criativa e incentiva as pessoas a copiarem uma mensagem qualquer em suas timelines, para “evitar” a cobrança.

Vamos por partes, porque essa chega a ser bem engraçada.

  • “Agora é oficial. Saiu na midia.” Em que midia? Onde estão os links para provar o que a mensagem diz? Você assistiu em algum telejornal ou, sei lá, viu em algum site? E se é “oficial”, não deveria estar no próprio Facebook, através de suas notificações?
  • A próxima frase diz que o Facebook “acaba de publicar” seu “preço de adesão”. Por adesão, subentende-se cadastro, certo? Bom, você já “aderiu” ao Facebook, portanto, não deveria precisar pagar. E se o FB publicou, onde foi? E por que o valor está em EURO, já que a empresa é norte-americana?
  • Aí vem a parte engraçada: se você colar no mural, está livre da cobrança. Ora, que empresa decidiria cobrar por seus serviços e simplesmente isentaria quem divulgasse a cobrança?
  • E fica pior: seus dados se tornarão públicos, mesmo os que você excluiu. Isso “amanhã”. Aham! E essa mensagem está rolando há dias. Aham! E você acreditou!
  • O apelo para divulgar a mentira se baseia no “não custa nada”. Bom, não custa nada também PENSAR um pouco.

O Facebook é grátis e sempre será

Facebook é gratuito para sempre

O Facebook não cobra nenhum tipo de taxa para sua adesão. E promete, direto na primeira página de cadastro, nunca fazer esse tipo de cobrança. A empresa ganha dinheiro com anúncios, e muito. Eles sabem que se cobrarem o acesso à ferramenta, as pessoas migram para outro site e pronto.

Não acredite nessas bobagens e não repasse. Indique essa página aqui para seus amigos que estão colando essa mensagem em suas timelines.

Mensagem original “Facebook será cobrado. Facebook ouro”

Facebook Ouro

Mensagem texto “Facebook será cobrado. Facebook ouro”

Agora é oficial. Saiu na midia. FaceBook acaba de publicar o seu preço da adesão, taxa de €5,99; para tornar membro ouro e manter a sua privacidade como está.
Se você colar isto no seu mural estará livre dessa cobrança.
Caso contrário, amanhã suas publicações podem tornar-se públicas Mesmo aquelas mensagens que você excluiu ou fotos quem não autorizou.
Afinal não custa nada copiar e colar.

Mensagem recebida via Facebook em 26/05/2013

Cães sendo usados como iscas de tubarão?

A história é comovente: pescadores franceses usam cachorros e gatos como iscas vivas para pescar tubarões. A foto também é bem comovente e apelativa, às vezes apresenta um cão com os lábios superiores no anzol, em outra o anzol está nas narinas do animal.

Pesquisando sobre a história que está sendo (novamente) espalhada, dessa vez pelo Facebook, com uma petição para que esse absurdo acabe, eu descobri que a história não é totalmente mentirosa. Mas também não é toda verdade.

cachorros usados como isca de tubarão

Cachorros e gatos, vivos ou mortos

Há bastante tempo, em 2005, as autoridades foram alertadas sobre a utilização de cães e gatos, vivos ou mortos, como iscas de tubarão. Isso aconteceu numa pequena ilha afastada da costa africana, território francês, chamada Réunion. A prática, considerada ilegal e totalmente proibida, era obra de alguns pescadores amadores, que se aproveitaram do fato de que cães e gatos eram considerados uma “praga” na pequena ilha (havia superpopulação desses animais), para capturá-los e utilizá-los dessa forma. A maioria dos animais era abatida antes da pesca.

O fato foi denunciado às autoridades e divulgado pela imprensa, atingindo um nível tão grande que envolveu o governo francês, entidades protetoras dos animais internacionais e até mesmo a Família Real Britânica.

Na ilha de Réunion, como em diversas partes do mundo, maltrato de animais é crime, e nesse caso específico, até mesmo a pesca de tubarões é ilegal e proibida, não importa o tipo de isca utilizados. Assim, esse caso, embora real, foi tratado como um caso isolado, praticado por um grupo muito pequeno de pescadores amadores, totalmente coibido e sem registros de que tenha voltado a acontecer.

A parte mentirosa da história

Boa parte das fotos divulgadas, principalmente as que ilustram esse texto, são montagens ou meias-verdades. A mais famosa e principal, do labrador, não é montagem. No entanto acredita-se que o cão, que se tratava de um animal de estimação e que fora encontrado com o gancho nos lábios superiores, seja vítima de um acidente com o gancho, podendo ter sido provocado por ele próprio.

A principal justificativa é ele ter sido encontrado livre e com vida, mas também pelo fato de que um anzol preso nessa parte do corpo do animal não teria o efeito esperado para ser utilizado como isca, já que o mínimo movimento mais bruto poderia fazer a pele rasgar e o anzol se desprender. Isso também derruba a teoria de que ele teria escapado dos pescadores, pois o gancho não apresentava sinais de ter sido forçado.

A segunda foto, do filhote com gancho do anzol no nariz, é montagem.

Conclusões sobre a história dos cachorros usados como isca

  • A história é verdadeira, mas foi um caso isolado e criminoso, não uma prática, como as pessoas queriam fazê-lo acreditar
  • Boa parte das imagens usadas para divulgar a prática são falsas, montagens toscas ou meias-verdades
  • As autoridades já puniram e coibiram os atos de 2005 e nenhum outro caso foi registrado desde então
  • Divulgar essa história só vai causar confusões e aumentar a mentira ainda mais, por isso:
    NÃO COMPARTILHE, NÃO ACREDITE ANTES DE PESQUISAR

Notificação de Multa Sem Parar / Via Fácil

O sistema Sem Parar / Via Fácil é um consórcio que possibilita o pagamento de pedágios e estacionamentos conveniados, no regime pós-pago e sem burocracia. Em pedágios, existe uma (ou mais) pista exclusiva para esse sistema, em que o motorista não precisa fazer o pagamento imediato, basta passar com o carro e o dispositivo instalado no veículo identifica e libera a cancela automaticamente.

Para que essa leitura seja feita com segurança, os veículos devem manter uma distância de 30 metros entre si, além de uma velocidade baixa, de até 40 km/h. A mensagem falsa se utiliza desses dados para enganar a vítima, informando falsamente que a empresa está multando veículos acima dessa velocidade e que existe uma multa pendente. A mensagem, como disse, é falsa.

Existe a cobrança de multa pelo Sem Parar/Via Fácil?
A emissão de multas não é uma atribuição da empresa Sem Parar/Via Fácil e sim uma exclusividade da Polícia Rodoviária.

O uso do sistema de pagamento automático de pedágios Sem Parar/Via Fácil torna as viagens por rodovias mais rápidas e confortáveis. Para garantir uma viagem tranqüila, os usuários devem respeitar as normas do Código Brasileiro de Trânsito, as placas e sinalizações dispostas nas praças de pedágio, assim como em qualquer outro ponto da rodovia.

Ao se aproximar das pistas automáticas, o motorista deve, obrigatoriamente, manter a distância mínima de 30 metros do veículo à frente, trafegar em velocidade máxima de 40 km/h e respeitar o semáforo, portanto a fiscalização e aplicação de multa sempre foi e continua sendo responsabilidade da Polícia Rodoviária.
Trecho retirado do site da empresa, seção Dúvidas.

No trecho acima, retirado do site da empresa, fica comprovado que apenas a Polícia Rodoviária pode emitir multas por excesso de velocidade nas rodovias (nos municípios pode ser a CET, por exemplo). Em todo caso, nenhuma empresa está autorizada a emitir multas de trânsito, apenas as autoridades de trânsito, e empresas de pedágio certamente não é uma delas.

Além disso, dicas básicas continuam valendo para esse tipo de e-mail:

  • Verifique o rementente. Nesse caso, veio sem um e-mail, apenas o “nome”. Pior, notificação de infração por e-mail? Por favor…
  • Dados pessoais, um outro ponto importante. Não está listado no e-mail nenhum dado do veículo ou do proprietário (você, no caso). Multas automáticas sempre vão para o proprietário do veículo, que deve indicar o condutor. Mesmo que existisse um absurdo desses, nenhuma notificação viria por e-mail e sem identificação sequer do local da infração;
  • O link, a fronteira final, digo, a prova final. O link para “visualização da multa” encaminha o usuário para um site sem relação alguma com a empresa citada. A URL é http://designersclub.pk/help/assets/blueprint-css/plugins/buttons/Redir-Vizualizar_Online.php?, ou seja, um hacker invadiu o site DesignersClub explorando a vulnerabilidade de algum plugin e plantou um arquivo .ZIP, que ao ser descompactado exibe um arquivo BO-MULTA-ID=237BT059P.cpl – um arquivo executável pelo Windows.

Segundo o site VirusTotal, o arquivo em questão é um Trojan do tipo Downloader, identificado na maior parte dos antivirus como uma variante do Win32/TrojanDownloader.Banload.

Mensagem original de “Notificação de Multa Sem Parar / Via Fácil”

Multa Sem Parar / Via Fácil - BALELA

Seu CPF apresenta novas pendências

Uma das estratégias mais utilizadas por golpistas para convencer suas vítimas a acreditar na mensagem e clicar no link malicioso, é ameaçar sua integridade financeira. Logo, emitir um aviso de problemas no SERASA ou SPC, é algo que tem grandes chances de convencimento.

As dicas para identificar a balela são muito simples e funcionam na grande maioria dos casos, perceba:

  • Verifique que no e-mail em questão, não há nenhum dado pessoal listado. Não há como garantir, com propriedade, que o e-mail tenha sido enviado para você diretamente, e não para uma lista enorme de pessoas com o mesmíssimo conteúdo;
  • Sequer o conteúdo do e-mail é editável, com possibilidade de enviar dados diferentes. Se trata de uma imagem só. Note que existe um “número de autenticação”, para dar mais credibilidade, mas é o mesmo, para todos os recipientes;
  • Dados mais sutis, como o e-mail estar sendo enviado de um domínio genérico da Experian e estar apontando o link para outro domínio, também são muito importantes. Aliás, o link é sempre o mais importante de um e-mail como esse;
  • Por fim, o resultado, ao clicar no link. O endereço final é o download de um arquivo chamado “pendencias-serasa.com” (o mesmo nome do domínio) e não faz nenhum sentido com a mensagem, que diz para clicar e consultar os tais débitos, mas no final faz download de um arquivo executável pelo Windows.
  • É sempre importante lembrar que não se deve clicar em e-mails duvidosos como esse, e principalmente, não se deve executar arquivos baixados aleatoriamente. Sempre confirme antes o remetente e a veracidade das informações nos sites ou órgãos oficiais.

O site VirusTotal identificou esse arquivo como um Cavalo de Tróia (Trojan) - Trojan-Downloader.Autoit.gen.

Abaixo a mensagem original, recebida por e-mail em 22 de maio de 2013.

Mensagem Original de “Seu CPF apresenta novas pendências”

Seu CPF apresenta novas pendências

Um ano sem Internet

Paul Miller tinha um desafio: ficar um ano sem Internet. No início tudo são flores, mas e no final? Você conseguiria? Você voltaria para a Internet após um ano sem ela? Paul achava que não.

Paul Miller - The Verge

Paul Miller é um articulista de tecnologia do The Verge que topou o desafio de ficar offline por um ano. Nada de e-mails, web, GPS, smartphone, e-books, nada. Não ficou sem usar tecnologia, claro, seria um tanto mais complicado, principalmente porque ele continuou sendo pago pelo The Verge para escrever seus artigos. Mas ficou desconectado.

Ele achava que encontraria, nesse hiato, seu verdadeiro eu, sua identidade perdida na batalha contra a vida corrida e intensa da Internet, as distrações que o mantinham distante das coisas reais, das pessoas reais, de sua família, do que realmente valia a pena. Da vida.

Ao contrário de tudo isso, Paul descobriu que sua vida e a Internet eram coisas intrínsecas. Ele descobriu também que na vida offline existiam tantas distrações quanto na online. Após um tempo ele descobriu o quanto era difícil pra ele, sair de casa para encontrar os amigos, fazer ligações ao invés de enviar e-mails, responder as cartas dos seus leitores e ir aos correios para enviar. Ele finalmente concluiu que não era a Internet que o atrapalhava de descobrir seu verdadeiro eu, que o afastava das pessoas ou que o distraía com coisas inúteis ao invés de focar nas verdadeiras coisas que valiam a pena.

O culpado, era o próprio Paul

Em seu texto de retorno à Internet, Paul diz que se sente decepcionado com ele mesmo por não ter tido nenhuma epifania no período, por não ter realizado o que era o objetivo do projeto. Mas Paul se enganou. A sua epifania foi sua grande descoberta sobre si mesmo, sobre ser o principal responsável pelo rumo que sua vida toma, por suas escolhas, pelos erros e acertos, pelo aprendizado.

What I do know is that I can’t blame the internet, or any circumstance, for my problems. I have many of the same priorities I had before I left the internet: family, friends, work, learning. And I have no guarantee I’ll stick with them when I get back on the internet — I probably won’t, to be honest. But at least I’ll know that it’s not the internet’s fault. I’ll know who’s responsible, and who can fix it.

A Internet (ou o videogame, o Facebook, a escola, o trabalho, ou qualquer outro culpado que você queira arrumar) não é responsável por nos afastar de nosso caminho. Nós somos os únicos responsáveis pelas escolhas que fazemos. Nenhuma tecnologia vai mudar quem você é. Ela pode apenas amplificar, facilitar a divulgação e a conexão com outros iguais.

O que você está fazendo da sua vida?

Video-documentário de Paul Miller / The Verge