Livraria Cultura inaugura loja para Geeks

Fachada da loja Geek.etc.brNessa quarta-feira, 25 de abril, a Livraria Cultura inaugurou sua primeira loja voltada para o público geek/nerd em geral. O nome não poderia ser mais sugestivo: Geek.etc.br. O Tecnocracia esteve lá na inauguração e conferiu de perto o que, por enquanto, apenas os paulistanos podem aproveitar.

Numa primeira olhada, a loja parece bem pequena, mas isso se deve principalmente ao grande número de pessoas que circulavam hoje – na inauguração. No entanto, há uma boa variedade de produtos geeks, desde os já esperados games, até moleskines temáticos, réplicas miniaturas de personagens de filmes e games, livros, DVDs, camisetas, “etc” (aham? pegou?).

Minhas impressões

A loja segue um pouco a ambientação característica da Cultura, mas dá uns toques personalizados com cores fortes, cartazes e impressões temáticas nas paredes. O ambiente em si é bastante confortável e aconchegante, e a julgar pelo público presente na inauguração, se parecerá muito pouco com a loja de gibi do seriado The Big Bang Theory ;-).

Um fato, no mínimo, curioso que notei: não há preço exibido nas vitrines ou nos produtos. O interessado deve consultar em um dos leitores de código de barra disponíveis na loja. Estratégia, talvez, mas obviamente isso não vai afastar ninguém da loja ou promover a desistência de compra. Talvez formar filas nos leitores ;-).

A Geek.etc.br é praticamente uma personificação da LinuxMall (inclusive alguns produtos vendidos possuem a etiqueta deles) e da ThinkGeek (loja bastante conhecida pelo público geek com milhares de produtos). É praticamente impossível sair de lá sem uma comprinha.

UPDATE: Para quem mora em Sampa, a loja fica no Conjunto Nacional (também conhecido por Itaú Cultural), pavimento térreo, bem em frente a uma das lojinhas da Cultura.

Continue lendo “Livraria Cultura inaugura loja para Geeks”

Sim, há Ciclamato de Sódio na Coca Zero

Ciclamato de SodioHá pouco tempo voltou o boato de anos de que a Coca-Cola foi proibida nos Estados Unidos por ter ciclamato de sódio em sua composição, substância normalmente utilizada em produtos dietéticos, que, se consumida em quantidade considerável, fazem mal à saúde por ser cancerígeno. Outros sete refrigerantes – Sukita Zero, Fanta Light, Dolly Guaraná, Dolly Guaraná Diet, Fanta Laranja, Sprite Zero e Sukita – também estariam na lista de bebidas com essa substância, além de benzeno, um corante.

Depois da grande propaganda em cima da Coca-Cola Zero para elevar as vendas, os consumidores começaram a questionar o motivo pelo qual a The Coca-Cola Company havia lançado outro produto que também não continha açúcar em sua composição e porque a propaganda em cima dele era maior. Havia diferença de um produto para outro?

A partir dessas perguntas, foram feitos exames nos componentes de ambos os produtos e foi dado como resposta que o custo de produção da Coca-Cola Zero era bem menor do que o da Coca-Cola Light porque na Coca-Cola Light eram utilizados 24mg% de Aspartame, que custa $152 o Kg, enquanto na Coca-Cola Zero utiliza-se apenas 12mg% de Aspartame e 27mg% de Ciclamato de Sódio que custa $10 o Kg, o que torna a produção da Coca-Cola Zero mais barata e o produto mais doce, portanto, mais próximo do sabor real da Coca-Cola tradicional.

A Coca-Cola Zero com Ciclamato de Sódio realmente foi proibida nos Estados Unidos pela substância não estar na lista de aditivos e alimentos seguros, a Generally Recognized as Safe (GRAS). Na EAFUS (Everything Added to Food in the United States), lista de todos os adivitos de alimentos nos Estados Unidos, consta que o Ciclamato de Sódio está proibido. Já no Brasil, e em mais de 50 outros países, o uso do Ciclamato de Sódio é autorizado.

Nos Estados Unidos, a Coca-Cola Zero ainda circula livremente e não foi retirada do mercado porque lá ela é fabricada sem o Ciclamato de Sódio (e o gosto é diferente).

No rótulo da Coca-Cola Zero onde o uso de Ciclamato de Sódio é autorizado, na parte de ingredientes, consta que há Ciclamato de Sódio e corante, o que torna o consumidor totalmente responsável por qualquer dano que ele, por ventura, possa ter em sua saúde se optar por ingerir o produto mesmo sabendo dos riscos que poderá correr futuramente.

Segundo a Coca-Cola, em seu site oficial, “Os resultados de cerca de 80 estudos científicos demonstram que o ciclamato não oferece risco para a saúde humana nas condições normais de consumo“. Ainda em seu site oficial, a Coca-Cola lista e prova em documentos todas as organizações que concluíram que o Ciclamato de Sódio pode ser utilizado, desde que de forma segura e dentro de um limite máximo de consumo diário pré estabelecido.

Além de citarem outros produtos de consumo diário que também contém Ciclamato de Sódio, afirmam que “tem sido demonstrado, de forma consistente, que sua ingestão pela população média e por grandes consumidores encontra-se abaixo dos valores de Ingestão Diária Aceitável estabelecidos por comitês científicos internacionais”.

Virus

Vírus de computador são programas maliciosos desenvolvidos para danificar sistemas operacionais, formatar o disco rígido do computador, apagar dados, consumir a capacidade de armazenamento, diminuir o desempenho do computador, consumir a capacidade de memória, capturar informações de seus usuários, causam excesso de tráfego em rede, entre outros transtornos.

Para se multiplicar, ele se hospeda em quase todos os tipos de arquivos e quando o usuário compartilha esse arquivo ou uma cópia dele com outro usuário, seja por páginas html, email, downloads, messengers, CDs, DVDs, Pen Drives o vírus se instala, espera o momento certo para atacar e se esconde para que não seja identificado e, consequentemente, exterminado. Todo o  “processo” é bem semelhante ao de um vírus biológico.

Tipos de vírus / malwares

  • Vírus de Boot;
  • Time Bomb;
  • Worm;
  • Trojan;
  • Cavalos de Tróia;
  • Phishing;
  • Hijackers;
  • Banker;
  • Estado Zumbi;
  • Vírus de Macro;
  • Script;
  • Splog;
  • Spyware;
  • Keylogger;
  • Rootkit;

Alguns dos malwares mais conhecidos

  • ILOVEYOU;
  • Jerusalém;
  • MyDoom;
  • Melissa;
  • Code Red;

Worm

Worm é um programa parecido com um vírus, com a diferença de que ele se aproveita das vulnerabilidades de programas de e-mail, redes sociais, internet, redes locais, etc para se auto-replicar, enviando cópias de si mesmo de computador para computador, sem a necessidade de ser executado ou do usuário do computador.

Os danos são praticamente os mesmos gerados por vírus. Atingem o limite do HD devido a quantidade de cópias que faz de si mesmo, degradam o desempenho do computador, danificam programas, arquivos e destroem informações, além de prejudicarem outros computadores.

Também existem Worms bons que servem buscar e corrigir vulnerabilidades em sistemas, mas não é muito utilizado pelos técnicos de segurança por necessitarem, também, do usuário do computador para que funcione.

Hoax / Boato

Hoax são histórias falsas espalhadas por email em formato de “corrente” com conteúdo que explora o lado emocional, justiceiro ou materislista de quem está lendo.

O objetivo é, em grande maioria, fazer com que a pessoa compartilhe a mensagem para o maior número de pessoas possíveis – tornando a história um boato – ou forneça dados e, com isso, encha servidores de e-mails, espalhe vírus, ajude a construir base de dados para que, posteriormente, possam vender ou roubar contas de e-mail para enviar SPAM.