E-commerce brasileiro. Existe um modelo ideal?

Anunciada em novembro/06 e aprovada no mês seguinte, a fusão da Submarino com a Americanas.com, dando origem a B2W, já começa a dar sinais de aquisição. Com 53% do capital da nova empresa, a Americanas.com impõe seu estilo de venda, seus fornecedores e até mesmo seu comportamento padrão dentro da empresa, ditando inclusive a forma […]

Anunciada em novembro/06 e aprovada no mês seguinte, a fusão da Submarino com a Americanas.com, dando origem a B2W, já começa a dar sinais de aquisição. Com 53% do capital da nova empresa, a Americanas.com impõe seu estilo de venda, seus fornecedores e até mesmo seu comportamento padrão dentro da empresa, ditando inclusive a forma como os funcionários devem se vestir.

Ao comandar 50% do mercado de e-commerce brasileiro, juntas, as empresas são praticamente um monopólio na Internet. Uma potência varejista que certamente abocanhará mais algumas fatias do mercado após a fusão, ou seja, 2 + 2 podem chegar a 5 ou 6.

A Americanas.com, ao impor seu ritmo de trator (já adquiriram a Shoptime em 2005), levanta alguns questionamentos a respeito do modelo de trabalho na Internet. Até então, as empresas que mais fazem sucesso na rede levantam a bandeira do trabalho mais informal, baseado em resultados, esses conseguidos com estí­mulos aos seus colaboradores, flexibilidade de horários, menor rigidez, etc. Tudo caracterizado como “o modelo do futuro”, onde as empresas deveriam se espelhar para vencer nessa selva digital.

Por conta do modelo “antigo” e completamente contrastante do Submarino, 4 dos 6 principais diretores dessa empresa já pediram demissão, além de vários funcionários do menor escalão que já saí­ram ou estão procurando outro emprego. Essa debandada está sendo caracterizada como uma grande perda, pois esses diretores, por exemplo, são os que mais conhecem sobre os processos do Submarino e fizeram parte do sucesso e crescimento de vendas que a empresa conseguiu até hoje.

Sabemos que a aquisição de uma empresa por seu maior rival comercial pode gerar conflitos, atritos e um clima de trabalho péssimo para os que ficam. Por conta disso foi criado um conselho para tratar da migração composto por 20 pessoas (10 de cada empresa), que acompanha o processo, discute o melhor de cada empresa para ser mantido, através de 2 reuniões diárias. Mas o que se vê – e se comenta pela Internet – é que o estilo Americanas.com e seus 53% estão dando as cartas (péssima notí­cia, segundo alguns).

Será que o estilo “informal” adotado pelo Submarino está errado? Será que a Google e outras tantas empresas que adotam esse modelo estão erradas? Será que modelos de trabalho antigos – bater cartão, vestir uniforme, cumprir metas, horário comercial – podem ser facilmente adotados na Internet e obter sucesso?

As perguntas são muitas, mas só o tempo dirá afinal qual o melhor – e se existe – modelo empresarial para se atuar e fazer sucesso na Internet.

UPDATE: Recebi um e-mail informando que dos 6 diretores, só restam 2 (já corrigido no texto acima): Armando Marchesan e o Flávio Jansen. O autor do e-mail pediu paranão ser identificado.

E você? Tem alguma dica? Fala aí­!

Estou passando por um problema na entrega, e digo, ao primeiro problema com o Submarino você descobre que eles não são uma grande empresa, eles são uma \”empresa fantasma”.
Meu pedido era pra ter sido entregue dia 11 de setembro, no dia 15 me disseram que seria entregue no dia 19, e até agora nada. Inacreditável. E a quem eu recorro? Não existe. No submarino eu só consigo falar com pessoas despreparadas e perdidas, e a empresa de entrega simplesmente não atende o telefone e não faz contato.
No meu caso ainda, pra cancelar a minha compra, eu tenho que recusar no momento da entrega. Quer dizer, se eu não receber nunca, ninguém cancela nunca. E eu vou onde? Vou recorrer a quem? Bom, o que eu posso fazer por hora é espalhar minha história pela internet e avisar para as pessoas não caí­rem no mesmo problema que eu.

Ataliba Gonçalves disse:

Bastante esclarecedor o material divulgado. Tenho apenas tres perguntas que gostaria de fazer:

1. Quando o e-commerce iniciou em ãmbito mundial e em que Paí­s existe maior í­ndice de compras pela Internet?

2. Quando iniciou no Brasil?

3. Qual é o í­ndice de compras pela Internet no Brasil, com relação ao consumo genérico do comércio convencional?

Obrigado

ACG

Ricardo Calvo disse:

Pessoal, eu sempre acompanho os sites de ecommerce, sou bastante interessado nesse assunto, e trabalho em uma produtora de sites tbem.

Na minha opinião, claro, quem compra a maior parte do capital de uma empresa, quer sempre chegar dando as cartas, uma espécie de forma de mostrar quem manda, ou algo parecido. Acho que as Americanas compraram o site do Submarino e esta mudando muita coisa, ainda que em passos lentos, mas vai mudar muito mais ainda, efetuar integração com outros sites, etc…

Mas, quanto a questão, vejam por um outro lado, eu acho que a forma informal e muito interessante, legal, e descontraida de se trabalhar, mas imaginem um pouquinho como não é ter inumeros (nem imagino quantos) funcionários trabalhando livremente, claro que com uma certa quantidade de regras, mais no geral, livremente, a vontade, e novos diretores chegam a empresa e veem aquilo? vão dizer que é perda de tempo, que não existem regras, etc, bom, mas ate ai tudo bem, agora imagina ter essa quantidade de funcionarios, e nem todos tem a responsabilidade que muitos possuem, como por exemplo, respeitar um horário (ou ao menos, se aproximar deste), não ter metas e não render o necessário, nao ter uma sequencia de trabalho formatada por não possuir regras, nem metas… isso são so alguns exemplo, tudo pode gerar uma grande confusão no trabalho, claro que nao estou dizendo que é o caso do Submarino, pois nunca teriam chego onde chegaram se fosse desta maneira, mas para novos diretores que não estão acostumados ou são antiquados, isto pode parecer desordem.

Em suma, acredito que tudo tem o seu motivo, pode ser simlpesmente por aderir um formato que deu certo em algum lugar ou nao, ou pode ser simplesmente por ter a mente fechada ainda, mas o que acredito e que cada lugar, cada empresa tem o seu formato, muitas mudam por motivos internos, mas no fim, quem faz a empresa são os proprios funcionarios, que ganham confiança e respeito ao longo dos anos trabalhados nas empresas.

Um abraço a todos.

isaque.vieira disse:

Não sei dizer como ficou o serviço do submarino após a sua venda para a americanas pois não efetuei nenhuma compra depois do acontecido, mas acho que a ideí­a de que o serviço piorou possa ser impressão, trabalhava na empresa ingresso.com comprada pela submarino quase um ano antes da sua fusão (venda) para a americanas, e alguns clientes (cerca de meia dúzia exatamente, dentro de um universo de 130 mil clientes ativos) reclamaram que depois da venda a qualidade do serviço tinha caido, sendo que até aquele momento nada havia sido mudado na infraestrutura da empresa.
Mas e visivel que não podemos desconsiderar o que e as lojas americanas, apesar de possuir uma visão de negocio dita como “antiga” a mesma tem demonstrado extrema eficiencia em seus negocios, e teve caixa pra comprar seu maior concorrente.
E obvio que para nós funcionarios se pudermos escolher entre duas empresas para trabalhar, diferenciais como flexibilidade de horário, trajes, ou até trabalhar apartir de casa ( home-office) são o nosso sonho de consumo.
Então qual séria o modelo ideal?
Os dois talvez, o diferencial está na administração que vá reger o metódo escolhido.

Mitchel disse:

O que é uma pena, pois sempre achei o Submarino muito melhor que as Americanas, e é uma burrice tremenda matar um produto bom em favor de um pior, só pelo fato dele ser do \”manda-chuva do pedaço”.

Concordo plenamente, sem falar que a marca “Submarino” é muitooo³²²³²³ mais forte que a Americanas.com.

A verdade é que, independente dessa fusão, seria muito interessante mais uma grande empresa de e-commerce para aumentar a concorrência – eis uma boa oportunidade para a Amazon ou, quem sabe, até para os próprios diretores que pediram demissão, se eles forem inteligentes e conseguirem atrair investimentos para um novo negócio 😀

TaQ disse:

Não sei vocês, mas eu já notei algumas diferenças no site do Submarino (até na velocidade!) e na quantidade/disponibilidade/preço dos produtos deles. Parece que tem algum “sufocamento” em algum ponto. O que é uma pena, pois sempre achei o Submarino muito melhor que as Americanas, e é uma burrice tremenda matar um produto bom em favor de um pior, só pelo fato dele ser do “manda-chuva do pedaço”.

Mas tem um diferencial chegando: segundo dizem por aí­, a Amazon está com um pé já na nossa terrinha. Aí­, o bicho pega. Aqui tem um link legal sobre essa história toda.