Tema: Eventos

Eventos: interCon, Software Livre e Mobilidade

LOGO Circuito Paraná de Software LivreAcontece hoje e amanhã (17 e 18 de agosto de 2007) na UEL – Universidade Estadual de Londrina, mais uma etapa do Circuito Paraná de Software Livre. Entre palestras e oficinas que serão realizadas, destaco a de Geoprocessamento com Software Livre, com Alfredo Massaki Furukawa e a Migração para Software Livre, com Gustavo Luis Barreto, ambos da Celepar.

Logo iMasters interConiMasters interCon 2007 é o evento de Internet que vai rolar dias 26 e 27 de outubro em São Paulo. Contando com vários nomes conhecidos na web, como Fábio Seixas, Carlos Merigo, Michel Lent e Suzana Apelbaun, o interCon promete. O tema é “O encontro de dois mundos” e promete plantar uma árvore para cada inscrição. Tá rolando no Camiseteria um concurso muito legal para escolher uma estampa para o tema. O Tecnocracia já tem presença confirmada, vamos marcar um chopp?

Logo ebusiness mobile
III eBusiness & Mobile Strategies Forum
é um evento com apresentação de cases de sucesso no tema “Mobilidade e Pedido Eletrônico“. Acontece em São Paulo nos dias 9 e 10 de outubro, no WTC Hotel. Quem se interessa por desenvolvimento móvel (handheld, celular, smartphone), m-Commerce, B2B e afins vai gostar desse evento. Tá afim de ir? Clica aí­ no link que rola um desconto (não é link afiliado, eu ganhei e estou repassando, só deve valer para o primeiro inscrito).

Digital Age 2.0 – Darwinismo Digital

A primeira palestra, do Joseph Crump – diretor executivo de criação da Avenue A/Razorfish -fala sobre Darwinismo Digital – a evolução das marcas na Internet. Um conceito interessante, cheio de teoria e muita prática no mercado publicitário norte-americano. Apesar de certas regras não se aplicarem ao mercado brasileiro, a grande maioria é internacional – da mesma forma que a Internet.

Segundo Crump, o DNA das marcas digitais está dividido em 7 genes: Fresh, Adaptive, Social, Transformative, Immersive, Relevant, Authentic. Se sua marca possui essas sete caracterí­sticas essenciais, terá uma chance de sucesso muito grande. Crump cita algumas das grandes empresas digitais que possuem essas qualidades, entre elas a Google, Apple, Flickr (Yahoo!) e a Nike.

As marcas precisam, em sua visão, comprometer o consumidor, envolvê-lo, despertar paixão, sentimentos e emoções que são conseguidas com a autenticidade, originalidade, resposta í s suas expectativas, adaptação frente í s mudanças: Inovação. Isso gera confiabilidade, engajamento. Citou exemplos como Firefox e Linux.

Muito bacana a palestra. Agora vamos ao social e voltamos mais tarde.

Digital Age 2.0 – Os dinossauros que me perdoem, mas…

Suzana Apelbaum vs Luis GrotteraA evolução é fundamental e inevitável. Não adianta espernear e tentar defender o seu peixe de forma tão acirrada e radical. Estamos evoluindo – que bom! – e não tem para onde correr, ou nos adaptamos ou morremos como os dinossauros.

Publicidade 2.0 – O fim do comercial de 30 segundos

A última palestra desse primeiro dia foi mais interessante pelo final. A Suzanna Apelbaum – ex-Africa, ex-Click e sócia da Hello! – apresentou casos interessantes de sucesso na publicidade online que foram bastante questionadas pelo palestrante seguinte, Luis Grottera – CEO da TBWA\BR. O debate se estendeu após a exposição de ambos como uma espécie de mesa redonda.

Apesar de reconhecer que o Grottera estava defendendo o seu trabalho e até concordar com algumas (poucas) coisas que ele disse, é inevitável a contestação absoluta de seu principal argumento: a Internet não é isso tudo que estão dizendo! Chegou a fazer comparações absurdas como “estão dizendo que a Web 2.0 pode curar a catarata da minha avó”. Continue lendo “Digital Age 2.0 – Os dinossauros que me perdoem, mas…”

Digital Age 2.0 – Mexapeando

O Mash Up, muito bem definido pelo Fábio Gandour – gerente de novas tecnologias da IBM – como ‘misturar e mostrar’, assim como a Web2.0, não é uma coisa nova. O ser humano faz mashups desde que começou a pensar e experimentar. Nós ‘mexapeamos’ – soletrado pelo Gandour – o tempo todo, segundo ele. Então, mexapeemos.

Digital Age 2.0 – Primeira sessão de palestras

Painel de tags do DigitalAge2.0Finda a manhã do primeiro dia do Digital Age 2.0, um histórico de 3 palestras em inglês – uma delas por ví­deo-conferência – e encontros muito bacanas, dentro e fora da blogosfera.

A primeira palestra – Contextual Branding, por Martin Lindstrom – abordou o aspecto do papel do consumidor / usuário na construção da marca, na venda, na publicidade. O MSP (Me Selling Publicy) indica que o consumidor hoje gera o seu próprio conteúdo, agrega valor a produtos de empresas, indica, apóia, suporta e difunde. A atuação do consumidor como gerador de conteúdo não é novidade para vocês, leitores do Tecnocracia, mas pode ser para muitos dos presentes na palestra, empresários, executivos, profissionais de marketing, etc.

A segunda – John Batelle, um dos criadores da Wired, via video-conferência (direto de uma ilha, nas férias) – falou bastante sobre buscas, contextualização, user generated content e outras coisas bacanas. Apesar de ser por video, a interação foi possí­vel com a platéia (através de palmas) e a conversa rolou.

Na terceira palestra, também em inglês (e minha cabeça já dando nó) – do Josh Bernoff, do Forest Research, a sensação foi de “já vi isso antes”. Muito semelhante í  primeira, vimos um pouco do lado da empresa com relação ao retorno do investimento em publicidade, comparando situações offline e online.

Após as palestras, vou tentar escrever um texto um pouco mais detalhado sobre os assuntos, que estão sendo muito interessantes. Para minha surpresa e alegria, fala-se MUITO em blogs. Estamos no caminho certo.

Acompanhe as fotos do evento no Flickr.