Campus Party Brasil 2009

Ao contrário do ano passado, eu não acampei no maior evento nerd geek que já apareceu por essas bandas. Fui todos os dias (exceto no domingo, que até Deus descansou e não tinha mais nenhuma atividade campuseira), mas como já estou morando em Sampa, não havia justificativa para dormir mal, no chão do pavilhão. O […]

Ao contrário do ano passado, eu não acampei no maior evento nerd geek que já apareceu por essas bandas. Fui todos os dias (exceto no domingo, que até Deus descansou e não tinha mais nenhuma atividade campuseira), mas como já estou morando em Sampa, não havia justificativa para dormir mal, no chão do pavilhão.

O Campus Party foi realizado esse ano no Centro Imigrantes, na rodovia do mesmo nome, bem longe de onde moro, mas perto de Congonhas. O pavilhão é enorme, grande mesmo. Abrigou, com folga, as áreas Expo (aberta para visitantes), Arena (onde os inscritos podiam acessar a Internet e participar de palestras) e o Camping de concreto (onde as barracas estavam armadas, não no sentido literal). No entanto, enquanto o tamanho não era necessariamente um problema, a arquitetura se tornou a grande vilã do evento.

A estrutura fí­sica do Campus Party 2009

Nos dois primeiros dias, a ausência de ar condicionado (ao contrário da estrutura do ano passado) fez com que o clima esquentasse. Ao ponto do suor escorrer literalmente, e o local ficar insuportável em determinados momentos. Não vi gente sem camisa, talvez fosse proibido, mas tenho certeza de que a maioria gostaria de ficar nu mesmo. Após isso, grandes ventiladores foram instalados, mas o que resfriou mesmo o lugar foi o tempo que virou, fazendo um baita frio nos dias seguintes.

Barracas

O posicionamento das áreas de palestra também foi bem equivocado. Ano passado as áreas estavam em linha, o que fazia com que o som de uma palestra interferisse nas suas duas vizinhas, mas separadas da Arena por um vão e em alguns lugares uma mureta. O som das palestras chegava pouco no local onde os campuseiros usavam o computador. Esse ano a Arena foi cercada, em todos os lados, pelas áreas de palestras, que circundavam o pavilhão. Péssima idéia. Além de interferir nos vizinhos laterais, o som das palestras atravessava a Arena e atingia as outras áreas í  sua frente. Quem ficava no meio, era bombardeado por todas as áreas.

Os banheiros, bebedouros e até mesmo a enfermaria, eram de difí­cil acesso, ficando em pontos distantes e em número insuficiente para atender tanta gente (segundo a organização, mais de 6.000 pessoas acamparam no evento). Obviamente, um preço a se pagar (alto, podemos dizer) pelo tamanho do local escolhido e estrutura existente. Seria praticamente impossí­vel refrigerar o local.

A grade de programação

Muitas palmas ao pessoal! Centenas de palestras, debates, desconferências rolaram nessa semana de evento em todas as áreas, a grande maioria formada por gente muito boa e diversificada. Na área de blogs, por exemplo, veio gente do exterior (brasileiros e estrangeiros), celebridade blogosférica, celebridade de verdade, especialistas em Internet, comunicação, publicidade e claro, muitos blogueiros.

Uma das grandes atrações desse ano foi o Campus Labs, uma área criada para que startupeiros, inventores e investidores pudessem se encontrar, expor suas idéias, fazer contato e tentar viabilizar seus projetos. Algo como uma evolução do StartupCamp. De terça a sábado, diversos empreendedores tiveram a oportunidade de expor seu trabalho e é provável que vejamos os primeiros frutos já começarem a ser colhidos ainda esse ano.

Os contatos

O melhor do evento, sem sombra de dúvida. Rever os amigos, conhecer pessoas novas, interagir com seus leitores e usuários, fazer contatos com novos parceiros. O Campus Party deu espaço de sobra para isso acontecer. A oportunidade era essa, várias pessoas influentes de diversas áreas estavam ali, dispostas a interagir. Eu não puder ver todo mundo, alguns desencontros aconteceram, mas fiquei bem satisfeito com os contatos que fiz.

A parte ruim

Acho que se houve uma parte muito ruim nesse evento, podemos reduzí­-la a uma palavra: desrespeito. Houve muito desrespeito, em toda parte. Posso citar alguns:

  • Alguns sem-noção que estavam com megafones gritando no meio da Arena, enquanto palestras estavam ocorrendo. Contei pelo menos duas pessoas com megafone no local. Estava barulho, faziam ainda mais.
  • Um outro sem-noção (de educação materna, provavelmente) bolinou de forma ofensiva uma das coelhinhas que estavam no evento, já no penúltimo dia. Engraçado que elas ficaram o tempo todo na área aberta e gratuita e não sofreram tal abuso, já na área de campuseiros … Tudo bem que foi apenas UM bocó, mas pegou mal pra todo mundo.
  • Mais um sem-noção tentou desligar os equipamentos de som enquanto um músico se apresentava na Arena, alegando se sentir ofendido com a letra da música. Gerou bate-boca, xingamentos, ameaças e um mal estar desnecessário.
  • Dois “amigos” saí­ram na porrada porque um deles beijou a namorada do outro. Desrespeito triplo.

Chega, né? Espero que as boas coisas desse ano se repitam nos próximos e os organizadores consigam evitar que as coisas ruins voltem a acontecer em novas edições.

PS: As fotos que ilustram esse texto foram tiradas por mim e estão disponí­veis no Flickr.

Caramba, Manoel. Pelo visto, só perdi a oportunidade de conhecer pessoalmente os blogueiros que admiro, mais nada. Cparty-desorganizado como a patrocinadora!

Manoel Netto disse:

@Juliana,
Infelizmente não nos conhecemos, né? Uma pena.
Sobre a organização, eu não faço nenhuma comparação com o patrocinador, afinal eles só dão a grana, quem cuida da organização é outra empresa. E sei o quanto é difí­cil organizar um evento, principalmente um desse porte. Vamos ver se o próximo sai melhor, né?
Abraço

danivalentin disse:

nossa, achei esse ano muuito, mas muuito desorganizado. As minhas principais reclamações:

1 – Ano passado fiquei menos de uma hora na fila para credencial, esse ano fiquei mais de uma hora – isso porque a fila não estava nem muito grande, tive que pegar uma pulseirinha temporária para não perder a palestra do Berners-Lee e depois voltar para a fila de novo. Uma zona, vi depois que só tinham 2 pessoas fazendo o credenciamento.

2 – A praça de alimentação era horrí­vel, além de tudo ser muito caro, 80% dos lugares vendiam exatamente o mesmo prato, o que me dava, como vegetariana, opção nenhuma. No primeiro dia comprei um lanche de queijo bem dos boquetas + suco + pratinho de salada de frutas por 17 reais. E continuei com fome. Nos outros dias preferi almoçar antes de ir para lá.

3 – A localização do lugar foi bem ruim, além do estacionamento ser super caro e ter informação errada no site – que teria estacionamento a 10 reais – alguém achou?

4 – O atraso nas atrações do “sarau” foram absurdos. A Lalai que estava prevista para tocar as 11:30 acabou entrando depois da 1, tendo ainda que dividir o set com mais um dj senão iria atrasar ainda mais.

Bom, isso sem citar o que vc escreveu no post. Foi bem deprê, só espero que eles aprendam com esses erros para os próximos anos…

Caio Novaes disse:

Eu gostei de rever os amigos. Só.

-Não assisti a nenhuma palestra pois era insuportável o barulho
-Seguranças sem o menor treinamento
-Calor insportável nos primeiros dias
-Achei foda aguentar o cheiro de cigarro também, mas acredito que as pessoas que tem o ví­cio deveriam ter um lugar próprio para isso, pois também entendo o lado delas.
-Comidas caras e de PÉSSIMA qualidade, o churrasquinho mimi estava horrí­vel (ou melhor, o churrasco em si tava bom, já o arroz, batata, salada, e tudo o que acompanhava não).
-Acampei 2 dias, o barulho não deixava dormir, e quando não tinha barulho de fora, tinham os seguranças falando alto a noite toda.
-Desrespeito de todas as formas
-Internet caia o tempo todo
-Shows que não tinham nada em comum com o tema da Campus Party, talvez algo eletrônico mostrando uma tecnologia nova fosse mais apropriado.
-Os “Campus” estavam todos misturados.
-Poderiam colocar seguranças em todas as entradas/saidas, isso diminuiria a fila. É uma coisa óbvia, não entendo porque nao foi feita.

Enfim.

Essa foi minha visão do evento.
Abs.

Jaime Dias disse:

porra, altamente envolvido!

da uma visitada la no meu humilde, caseiro, porem hospitaleiro blog! =o)

ps: coincidência, tive essa conversa a respeito de nerd agora ser geek…to antenado, e nem sei como.

bom, aqui vai o link dos meus filhotes, caso tenha interesse (ps2, continuo evangelizando o aros.org) =o)

jotadias.com.br
voipser.com.br
sisdipe.com.br
jotadias.com.br/altern8

é isso…não é muito, mas é de coração! WhooWhooo! =oD

Jaime Dias disse:

legal te ver com um blog! =o)
Feliz 2009!

Manoel Netto disse:

Isso é porque você ainda não viu os outros 4 ou 5 hahaha 😉

Clica lá em “Sobre”.

Abraço

Jonny Ken disse:

Beberdouro? Onde???

Eu achei ruim a organização não distribuir garrafinhas como no ano passado, mas depois que eu só encontrei UM bebedouro (daqueles de tomar fazendo biquinho), achei lógico! “Já que vamos fazer a burrada de deixar um único bebedouro, não vamos fazer 2, de colocar garrafinhas sem ter lugar para encher” rs rs rs rs

Outra falha que eu achei foi a segurança! Eles tentam vender um papel de “aqui dentro você está seguro”, mas o local não é nada seguro, principalmente para dispositivos móveis (cameras, celulares e notebooks). Até eu consegui fugir com 2 notebooks sem ser revistado direito! Devidamente registrado em ví­deo pela Dani Toste (dona do 2o notebook) e pelo Fugita (do lado de fora).

http://www.infopod.com.br/artigos/veja-como-e-facil-furtar-um-notebook-no-campus-party/

Se fosse para dar nota, eu daria 8 para ano passado e 5 para este ano!

Abraços!

Vale lembrar também que tinha muita gente sem noção fumando lá dentro. Tremenda falta de respeito.

A desorganização também foi absurda. Eu paguei a inscrição em outubro e não acharam meu crachá. Uma amigo que pagou uma semana antes do evento não teve problemas. Fila absurda no começo da semana pra tentar fazer o tal crachá, organizadores perdidos. O tal do estacionamento externo não existia. Informação falsa.

A segurança nem precisa falar porque já tá mais do que dito em todos os blogs a palhaçada que foi. Pior de tudo foi ouvir da boca do próprio organizador (na segunda-feira no palco do evento) pedindo paciência pelos “pequenos problemas” e saber que tinha uma porrada de voluntários trabalhando lá. Nada contra eles, mas com um evento tão desorganizado fico com uma enorme sensação que pegaram esse pessoal pra não ter que botar $$ e sobrar mais pro próprio bolso.

É uma pena que um evento tão bonito seja ofuscado por tantos problemas.